18.5 C
Brasília
domingo, 21 julho, 2024

Bielorrússia avisa que usará armas nucleares se for ameaçada

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, reunido com o chefe do Estado-Maior do país, Pavel Muravéiko.

Sputnik – A Bielorrússia não hesitará em usar armas nucleares tácticas se a sua soberania estiver ameaçada, alerta o chefe do Estado-Maior do país da Europa de Leste.

“Aprendemos a usar essas armas. Sabemos como usá-los com confiança. Somos capazes de o fazer e, podem ter a certeza, fá-lo-emos se for criada uma ameaça à soberania e independência do nosso país”, disse Pável Muravéiko ao canal de televisão estatal bielorrusso ONT no domingo .

Muravéiko, que é também o primeiro vice-ministro da defesa da Bielorrússia, considerou a implantação de armas nucleares tácticas no seu país como um impedimento à agressão contra a Bielorrússia.

Denunciou o envio de 10 grupos tácticos de batalhões da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), compostos por 20.000 soldados, em países da União Europeia (UE) que fazem fronteira com a Bielorrússia, e afirmou que isto causa preocupação a Minsk.

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, alertou na terça-feira que o seu país não hesitará em usar as armas nucleares da Rússia no seu território se for atacado.

“Estamos a acompanhar de perto todas as ações tanto das tropas da NATO como das forças armadas nacionais dos nossos Estados vizinhos. “Estamos estudando as técnicas e métodos que eles praticam”, acrescentou.

A Bielorrússia, principal aliada da Rússia, chegou a um acordo com Moscovo em 2023 – no meio da guerra entre a Federação Russa e a Ucrânia – para acolher algumas das armas nucleares tácticas russas no seu território.

A Rússia, por seu lado, enfatizou então que a implantação de armas nucleares na Bielorrússia é uma resposta à expansão da NATO e à sua abordagem às fronteiras russas, o que representa uma ameaça para os russos e os seus aliados, como a Bielorrússia.

Moscovo acusa Washington e os seus aliados europeus de levarem o mundo à beira de uma guerra nuclear, ao dar à Ucrânia milhares de milhões de dólares em armas, algumas das quais estão a ser utilizadas contra o território russo.

Nesta conjuntura, as autoridades russas, incluindo o seu presidente, Vladimir Putin, deixaram claro que as armas só serão utilizadas se o território ou estado russo ficar ameaçado.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS