Brasília, 23 de outubro de 2021 às 04:12
Selecione o Idioma:

Brasil

Postado em 16/02/2021 11:42

Atraso na vacinação é culpa de Bolsonaro

.

Arte: Gladson Targa

Por Altamiro Borges

O atraso e até a suspensão da vacinação em alguns estados e municípios têm um culpado maior: o genocida Jair Messias Bolsonaro. Há várias provas desse crime. A mais recente foi publicada na Folha e mostra que o governo federal só gastou 9% da verba emergencial liberada para vacinas contra a Covid-19.

Segundo a matéria, três medidas provisórias (MPs) assinadas pelo presidente em agosto, setembro e dezembro abriram créditos extraordinários que somaram R$24,5 bilhões. Mas “o país chegou à metade de fevereiro com apenas R$ 2,2 bilhões efetivamente gastos” – segundo dados totalizados do próprio Ministério da Saúde até 10 de fevereiro.

Incompetência ou genocídio premeditado?

Como lembra a Folha, “a vacinação contra a Covid-19 no Brasil só teve início em 17 de janeiro. Mais de 50 países começaram a imunizar antes do Brasil”. Até sexta-feira (12), apenas 4,9 milhões de brasileiros tinham recebido a primeira dose da vacina – cerca de 2% da população.

Apesar desse atraso assassino, Jair Bolsonaro segue com seus discursos e práticas negacionistas em relação à vacina – em especial contra a Coronavac, hoje o principal imunizante do país fabricado pela indústria chinesa Sinovac e pelo Instituto Butantan. Ele também se mantém como garoto-propaganda de remédios sem eficácia comprovada, como a Cloroquina.

PNI era referência internacional

Como afirma o médico Drauzio Varella, “a bagunça que virou a vacinação contra o coronavírus” no país não tem qualquer justificativa e desgasta ainda mais a imagem do Brasil no exterior. O caos devia indignar a sociedade. Ele é fruto direto do negacionismo, da falta de planejamento e da total incompetência logística do governo federal.

O renomado médico lembra que o Brasil sempre foi reconhecido no mundo por seu Programa Nacional de Imunizações (PNI), responsável por coordenar a distribuição das vacinas. O programa, que era referência internacional em campanhas de imunização, foi sabotado pelo capitão-presidente, Jair Bolsonaro, e pelo general-ministro, Eduardo Pazuello.

“Não faltaria conhecimento a um programa com mais de 45 anos de idade, que foi capaz de eliminar a poliomielite e a varíola do país, de vacinar 18 milhões de crianças contra poliomielite num só dia, 100 milhões de pessoas contra a H1N1 em três meses, em 2010, e 80 milhões contra a influenza, em 2020”, relata Drauzio Varella. Confira seu artigo na íntegra:

*****

A vacinação contra o coronavírus virou uma bagunça no Brasil

Por Drauzio Varella, na Folha de S.Paulo – 13 de fevereiro de 2021

Reconhecido como um dos maiores programas do mundo, ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) caberia coordenar a distribuição das vacinas e estabelecer regras rígidas para definir as localidades e os grupos que deveriam receber as primeiras doses disponíveis.

Não faltaria conhecimento a um programa com mais de 45 anos de idade, que foi capaz de eliminar a varíola e a poliomielite do país, de vacinar 18 milhões de crianças contra a poliomielite num só dia, 100 milhões de pessoas contra a H1N1 em três meses, em 2010, e 80 milhões contra a influenza, em 2020.

Agora, sem autonomia para coordenar a estratégia de vacinação, o programa houve por bem pulverizar pelo país as poucas vacinas existentes, como se a epidemia ameaçasse todos os municípios com igual virulência. Ao lado desse equívoco, facultou a estados e municípios a adoção dos critérios para estabelecer prioridades, de acordo com as realidades locais.

A falta de uma coordenação centralizada com regras válidas para o país inteiro gerou essa confusão de grupos e de pessoas que subvertem a ordem prioritária e confundem a população, incapaz de entender porque em cada cidade a vacinação chega para uns e não para outros .

]]]Tem cabimento vacinar veterinários, terapeutas, personal trainers, escriturários de hospitais, antes dos mais velhos, que representam mais de 70% dos mortos? É justo proteger essa gente antes dos professores, dos policiais e de outras categorias mais expostas ao vírus?

A distribuição pulverizada das vacinas sem levar em conta a prevalência do coronavírus, as condições do sistema de saúde da localidade e as vagas disponíveis nos hospitais é demonstração inequívoca de incompetência.

Veja os exemplos do Amazonas e de Roraima, caríssima leitora: hospitais lotados, filas de doentes sentados à espera de um leito, UTIs sem vagas, pacientes transferidos para cidades a milhares de quilômetros, uma linhagem mutante do vírus bem mais contagiosa que se espalha pelo país.

A imunização contra o coronavírus impõe pelo menos três grandes desafios. O primeiro é que nunca iniciamos uma campanha sem ter doses suficientes, situação a que chegamos pelas dificuldades de produção de vacinas disputadas pelo mundo inteiro e pela desídia de um governo negacionista que não se interessou em adquiri-las quando ainda havia disponibilidade.

O segundo é a necessidade de administrar duas doses da mesma vacina, com intervalo de algumas semanas: recebeu a primeira dose da Fiocruz/AstraZeneca, a segunda não pode ser a do Butantan/Sinovac, e vice-versa. Com a presente escassez, não será fácil organizar a distribuição de preparações fabricadas por empresas diferentes, para chegar de forma ordeira nas 38 mil salas de vacinação espalhadas pelo país.

O terceiro, talvez o mais grave, foi a substituição de especialistas competentes como a doutora Carla Domingues, que dirigiu o programa nacional de 2011 a 2019, por gente nomeada por afinidades corporativas e ideológicas. O atual ministro da saúde e as chefias de coordenação que retiraram das mãos do PNI o poder de decisão têm algo em comum com você e eu, prezado leitor: a falta absoluta de experiência com imunizações em massa.

Que azar. Quando o Brasil mais precisava de técnicos treinados para executar a difícil tarefa de vacinar seus habitantes, única forma de reduzir a mortalidade e dar alento à economia, caímos nas mãos de um Ministério da Saúde fragilizado, dirigido por amadores.

* Drauzio Varella é médico cancerologista, autor de “Estação Carandiru”.

Comentários: