9.5 C
Brasília
quinta-feira, 25 julho, 2024

Argentina diante das incertezas

Buenos Aires, 20 de novembro (Prensa Latina) Depois da vitória de La Libertad Avanza (LLA) nas eleições presidenciais, a Argentina acordou nesta segunda (20) com mais perguntas do que certezas, enquanto o peronismo pede reflexão e resistência.

Na véspera, o líder do LLA, Javier Milei, foi eleito presidente com 14 milhões 473 mil 340 votos (55,69 por cento), enquanto o representante da Unión por la Patria (UP), Sergio Massa, registou o apoio de 11 milhões 513 mil 116 cidadãos (44,30), segundo dados provisórios.

No seu primeiro discurso após as eleições, Milei anunciou um processo de “reconstrução” em que “não haverá espaço para tibieza ou meias medidas” e garantiu que a sua gestão se baseará num “governo limitado que cumpre rigorosamente os compromissos assumidos”. ” , respeito pela liberdade privada e pelo livre comércio.”

Agradeceu também o apoio do ex-presidente Mauricio Macri, da ex-candidata do Juntos pela Mudança Patricia Bullrich e do conselheiro e “verdadeiro arquiteto entre as sombras” Santiago Caputo, sobrinho de um amigo do ex-chefe de Estado.

Esta manhã ele reiterou à imprensa suas intenções de fechar o Banco Central e seu plano para que a moeda seja a escolhida pelos particulares.

Além disso, considerou que acabar com a inflação levará quase dois anos: “Se cortarmos hoje a questão monetária, levamos entre 18 e 24 meses para trazê-la aos níveis internacionais mais baixos”.

Essas declarações já foram feitas durante a campanha, mas ainda não se sabe os métodos que ele aplicaria e quem ocupará o cargo de ministro da Economia durante sua gestão.

Outro aspecto importante é se ou quando ele cumprirá os seus planos de eliminar subsídios, privatizar empresas como Aerolíneas Argentinas e Yacimientos Petrolófilos Fiscales, destruir o Mercado Comum do Sul, afastar-se do Brasil e da China e deixar o comércio internacional em mãos privadas.

Resta também definir como será a relação com o Fundo Monetário Internacional, tendo em conta que quem contraiu a maior dívida da história com aquela organização (Mauricio Macri) é hoje um dos seus parceiros mais importantes.

Além disso, é preciso levar em conta a existência de uma fragmentação sem precedentes no Congresso que obrigará a negociação para alcançar quórum nas duas instâncias que o compõem.

Nos próximos anos, a UP terá 107 membros na Câmara dos Deputados, enquanto o Juntos pela Mudança (JxC) ocupará 94 cadeiras e o LLA 38.

No caso do Senado, a UP terá 35 representantes, o JxC 24 e o LLA oito.

Para o jornalista e professor Eduardo Aliverti, a Argentina deu um salto no vazio e o que é verdadeiramente inconcebível é o cenário que temos pela frente.

Por sua vez, o analista Jorge Alemán destacou que “ainda é uma surpresa sinistra que um país impecável no que diz respeito à sua memória histórica, que fez dos 30 mil (detidos-desaparecidos durante a ditadura) um panteão sagrado e é habitado por décadas por um movimento nacional e popular, optou por esbanjar tão importante tesouro simbólico”.

Além disso, alertou para o risco de um rumo ultraneoliberal com um manual de pseudoargumentos e uma vice-presidente (Victoria Villarruel) que defende a negação dos crimes cometidos durante o regime instaurado de 1976 a 1983.

Existem muitas explicações económicas e políticas que se unem para interpretar o que está a acontecer. No entanto, quando uma nação permite o colapso de um mundo simbólico, é necessário repensar esse país, acrescentou.

É sabido que o neoliberalismo captura vidas para sacrificar no altar do mercado, mas atualmente não há exemplo tão bem sucedido como o argentino. Uma parte da sociedade rendeu-se ao jogo fatal da roleta russa. Resta esperar que na triste escuridão destes dias surja alguma luz, concluiu.

Por sua vez, o vice-diretor do jornal Página 12, Luis Bruschtein, indicou que o panorama atual implica um horizonte de violência: “Ninguém se deixará pisotear ou tirar os seus direitos e as políticas anunciadas são muito agressivas. Estas duas forças opostas implicam a iminência de protestos, repressões e profunda instabilidade.”

A Argentina já passou por situações em que a fragmentação será a estratégia para aplicar medidas antipopulares e em que a unidade do povo na resistência é a única defesa. A rua voltará a ser o principal teatro da política. É o único território que o poder económico não pode colonizar, afirmou.

Na véspera, a líder da juventude peronista, Lucía Cámpora, destacou a importância de atuar com mais organização do que nunca, com coragem, temperança e lealdade à vice-presidente e líder peronista Cristina Fernández.

Por sua vez, a ex-candidata da Frente de Esquerda, Myriam Bregman, garantiu que enfrentarão as ações de Milei com mobilizações.

Estaremos nas ruas diante de cada ataque porque a liberdade deles é a da exploração ilimitada, comentou.

Por sua vez, o líder da Frente Pátria Grande, Juan Grabois, exortou as pessoas a enfrentarem as adversidades com coragem, a sustentarem a organização com sabedoria e a manterem firmemente as suas convicções.

Mais fortes do que nunca, com a Constituição nas mãos e o povo no coração, vamos voltar muito melhores. Ninguém desiste aqui, se enfrentarmos perseguições, será a forja do futuro. Que o sonho de um país justo, livre e soberano, com terra, abrigo e trabalho para todos, viva para sempre, garantiu

ÚLTIMAS NOTÍCIAS