Brasília, 4 de dezembro de 2021 às 00:57
Selecione o Idioma:

Sem Titulo

Postado em 31/01/2020 8:42

Ambientalistas bloqueiam sede da Shell na Holanda

.

Ambientalistas criticaram a “hipocrisia” da empresa, que alega ser “parte da solução para a crise climática

Grupo protesta contra “hipocrisia” e papel da empresa do setor de energia nas mudanças climáticas. Ato termina com 30 ativistas detidos.

Ambientalistas bloquearam nesta sexta-feira (31/01) a entrada da sede da Shell em Haia, Holanda, em protesto contra o papel da empresa nas mudanças climáticas. A ação terminou com 30 ativistas detidos.

Integrantes do movimento Extinction Rebellion (Rebelião da Extinção) e do grupo Shell Deve Cair se colaram nas portas de vidro do prédio. Outros seguravam faixas e jogaram um líquido preto nos degraus da entrada.

“A Shell é uma das maiores poluidoras. Se quisermos ter uma chance de deter as mudanças climáticas, a Shell é uma das primeiras empresas que têm que acabar”, afirmou uma ativista.

Ativista é arrastado pela políciaProtesto terminou com detenções

Em comunicado, os ambientalistas criticaram a “hipocrisia” da empresa, que alega ser “parte da solução para a crise climática, mas ao mesmo tempo anunciou no ano passado sua intenção de aumentar em dezenas de bilhões de dólares seus investimentos em combustíveis fósseis”.

De acordo com o porta-voz da polícia, 30 ativistas foram detidos por não terem permissão para realizar o protesto.

A Shell afirmou que respeita o direito dos manifestantes, e alegou que sua estratégia está alinhada com tratados internacionais sobre o clima. “Nesse sentido, temos o mesmo objetivo dos ativistas. Apenas discordamos sobre os métodos.”

O grupo de energia Shell opera principalmente na refinação de petróleo e gás natural, setor que é um dos grandes vilões do clima. A queima de combustíveis fósseis conta entre os principais emissores de gases que causam o aquecimento global.

CN/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. 

Comentários: