12.5 C
Brasília
sábado, 20 julho, 2024

Allende e o projeto Cybersyn

Sala de operações do Projeto Synco/Cybersyn

Prabir Purkayastha [*]

Cinquenta anos atrás, o golpe de Pinochet destruiu o governo de Allende e a estrutura da democracia liberal no Chile. Allende morreu com uma metralhadora nas mãos, defendendo a sua tentativa de construir o socialismo no Chile contra o poder combinado dos EUA e das forças da reação no Chile, incluindo os militares. Para as pessoas da minha geração, esta história é bem conhecida, uma vez que, juntamente com as lutas de libertação no Vietnã e em África, o Chile nos levou às ruas em solidariedade. O que é menos conhecido, exceto nos círculos mais académicos ou tecnológicos, é a tentativa de Allende e do seu governo de utilizar a tecnologia da informação – especificamente das fábricas que Allende havia nacionalizado – para planear e intervir na economia em tempo real.

Este projeto – Cybersyn – repercutiu na comunidade tecnológica pela sua visão de casar a tecnologia com as necessidades sociais, incluindo o feedback direto dos trabalhadores do chão de fábrica. A sala de controlo do Cybersyn é icónica e precursora do que mais tarde se desenvolverá como uma interface gráfica intuitiva para o utilizador, diferenciando empresas como a Apple das interfaces de utilizador mais desajeitadas da Microsoft e outras.

Eden Medina e Evgeny Morozov foram dois dos autores que, há mais de duas décadas, examinaram o projeto Cybersyn. O livro de Medina, Cybernetic Revolutionaries: Technology and Politics in Allende’s Chile, de 2011, continua a ser o mais importante para reunir o contexto e os constrangimentos da tecnologia e da política no Chile daquela época. Evgeny, que há muito investiga o Chile e o projeto Cybersyn, elaborou recentemente uma série de podcasts (nove, para ser exato) intitulada The Santiago Boys. Estes podcasts dão-nos não só uma visão geral do projeto Cybersyn, mas também da luta desigual de um conjunto de jovens técnicos, engenheiros e economistas (os Santiago Boys), juntamente com Stafford Beer, um informático britânico, contra o poder das forças norte-americanas – a ITT e outras multinacionais norte-americanas, a CIA, as forças armadas chilenas e economistas (os Chicago Boys, liderados pelo economista Milton Friedman). O autor situa também o contexto muito mais vasto em que devemos ver a cibernética, não simplesmente como a forma de gerir ou controlar a economia, mas como desenvolver o conhecimento subjacente à tecnologia e à produção para o futuro.

A informação, neste sentido mais amplo, está a criar novos conhecimentos e, consequentemente, a luta sobre o sistema de patentes é uma luta sobre o conhecimento. O sistema de patentes indiano sofreu uma enorme rutura com a sua versão colonial anterior, a Lei de Patentes Indiana de 1911, na Lei de Patentes de 1971. Evgeny apresenta a visão dos Santiago Boys/School, semelhante à que nós, na Índia, tínhamos relativamente à autossuficiência. Não basta substituir as importações. Sair da dependência significa criar novos conhecimentos. Isso significa que é preciso associar os avanços do conhecimento, tanto científico como tecnológico, à indústria. A reforma dos sistemas de patentes pode criar condições para a criação de conhecimento, mas trazê-lo para a indústria significa associar diferentes formas de conhecimento de uma forma que possa conduzir ao fabrico de produtos: produtos simples que se integram noutros produtos e produtos complexos que precisam de integrar um grande número dessas peças.

Não vou entrar em pormenores sobre o que Evgeny abordou nos seus podcasts ou noutros escritos. Vou dar um exemplo do que poderia ter acontecido se o Chile tivesse seguido o seu caminho para a autossuficiência. Evgeny escreve sobre a forma como a Corfo da era Allende lançou a Empresa Nacional de Eletrônica, encarregada de construir uma fábrica de semicondutores no norte do país. Isto teria permitido ao Chile – outrora um mero exportador de nitratos e de cobre – tornar-se uma economia tecnologicamente refinada, capaz de satisfazer as suas necessidades de desenvolvimento. Quem acompanha estas colunas lembra-se de como a Índia construiu o complexo de semicondutores em Mohali, que, em poucos anos, colocou as capacidades indianas de fabrico de chips a uma ou duas gerações do que eram então os chips de ponta. E como, após o seu misterioso incêndio em 1989, nunca foi reconstruído. Isto levou-nos a sair pelo mundo afora oferecendo enormes “incentivos” para a criação de fábricas, não de fabrico de chips, mas de embalagem de chips. No caso do Chile, o golpe de Estado inspirado pelos EUA derrubou o governo de Allende e o abandono da autossuficiência – ou independência tecnológica – como objetivo. Na Índia, as forças neoliberais de vários partidos políticos, do Congresso ao BJP, conduziram ao abandono da autossuficiência.

Evgeny também realça as semelhanças assustadoras entre a rede de informação do Projeto Cybersyn e a infraestrutura de informação e controlo da Operação Condor, o infame projeto da CIA para sabotar e assassinar forças e governos de esquerda na América Latina. Ambos foram informados e limitados pela tecnologia dos seus tempos, utilizando o telex como principal meio de comunicação de dados e informações. É uma história de advertência para aqueles que acreditam em tecno-utopias e em como os avanços tecnológicos resolverão automaticamente todos os problemas do mundo.

Os avanços na tecnologia e na ciência têm o potencial de criar o suficiente para as nossas necessidades humanas, agora e no futuro. Mas depara-se com a simples questão de saber a quem pertencem esses avanços. Ou, mais corretamente, a quem pertence o conhecimento incorporado nos artefatos que produzimos enquanto sociedade? A quem pertencem os meios de produção, não apenas a infraestrutura física que produz esses bens, mas também a infraestrutura que produz o conhecimento? É aqui que nos confrontamos com a realidade da luta de classes, tanto nacional como internacional. O derrube de Allende pela CIA, pela ITT (leia-se capital americano) e pela sua elite feudal-militar recorda-nos a natureza desta luta de classes, tanto nacional como internacional.

A outra parte da história é a da tecnologia da informação, que ainda estava a dar os primeiros passos durante a era Allende. Algumas pessoas acreditaram ingenuamente que as novas tecnologias digitais poderiam libertar-nos a todos: o software livre e a Internet introduziriam por si só o socialismo, democratizando a tecnologia e, por conseguinte, a sociedade. Norbert Weiner, o pai da cibernética, já nos havia avisado, nos seus livros Cybernetics (1948) e Human Use of Human Beings (1950), que a informação no mundo americano típico está destinada a um futuro especial: transformar-se numa mercadoria a ser comprada, vendida e negociada. Este facto entrará inevitavelmente em conflito com os valores humanos de promoção do bem comum. “Assim como a tecnologia abre novas oportunidades, também impõe novas limitações”. Miron Amit escreve sobre a visão de Weiner deste conflito e como a transformação da informação numa mercadoria permite a sua apropriação privada e prejudica a própria vida. Apesar de a rede de informação se ter alterado enormemente com o aparecimento da Internet, a política da informação e da tecnologia continua a ser o conflito entre povo e capital.

01/outubro/2023

[*] Informático, indiano.

O original encontra-se em peoplesdemocracy.in/2023/1001_pd/remembering-allende-and-his-project-cybersyn

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS