23.5 C
Brasília
quarta-feira, 24 julho, 2024

A resistência de Gaza mantém-se firme dias após o ataque israelense

– Enquanto os jatos israelenses continuam a arrasar a maior prisão a céu aberto do mundo com fósforo branco e bombas de fragmentação, as forças do Hamas e do PIJ (Palestinian Islamic Jihad) não cessam os ataques contra as tropas e os colonatos israelenses

A resistência de Gaza continuou a atacar as vilas e cidades ocupadas com grandes barragens de foguetes até 12 de outubro, marcando o sexto dia desde o início da Operação Al-Aqsa Flood do Hamas e o subsequente lançamento da campanha brutal de Israel contra civis na Faixa de Gaza.

Antes do meio-dia de quinta-feira, os mísseis atingiram vários colonatos, cidades e locais israelitas no envelope de Gaza, incluindo o colonato de Nahal Oz, a cidade de Sderot e a base militar de Raim. Foram registados vários feridos entre os colonos.

No início da manhã, foram também lançados foguetes contra Telavive e outras zonas, tendo um dos mísseis atingido o colonato de Ariel, na Cisjordânia ocupada, causando uma grande explosão.

Na noite anterior, por volta das 21h00, foi disparada uma enorme barragem que causou feridos e danos materiais significativos em várias povoações.

Apesar de Israel ter anunciado que a fronteira de Gaza tinha sido selada, os combatentes da resistência conseguiram efetuar várias novas infiltrações nos territórios ocupados, enfrentando as tropas israelenses com fogo pesado e provocando confrontos em vários colonatos.

Desde sábado, foram mortos pelo menos 1 300 israelenses e feridos mais de 3 300.

O Hamas apelou igualmente a uma revolta palestina em massa, em especial na Cisjordânia ocupada, onde a resistência atingiu recentemente o seu ponto mais alto e atingiu níveis sem precedentes desde o início da operação Al-Aqsa Flood, no sábado.

Entretanto, aviões de guerra israelenses não cessaram de atacar bairros civis em Gaza.

Segundo a agência noticiosa WAFA, uma família inteira em Gaza foi morta por ataques aéreos israelenses em 12 de outubro.

“O ex-prisioneiro Abdul Rahman Shihab, que passou 23 anos nas prisões israelenses por ter resistido à ocupação e foi libertado em 2011, e a sua mulher, filhos e mãe foram mortos durante o bombardeamento da sua casa sem aviso prévio”, disse um correspondente da WAFA.

Centenas de casas e edifícios foram arrasados. Vários médicos, jornalistas e funcionários da ONU também foram mortos.

O número de mortos em Gaza ascende a mais de 1300 pessoas, com cerca de 6000 feridos. Prevê-se que os números continuem a aumentar.

Israel tem usado fósforo branco e bombas de fragmentação para atingir Gaza, ambas armas proibidas internacionalmente.

Embora Israel afirme que tem como alvo os locais e as posições do Hamas, grande parte das infraestruturas do grupo de resistência encontra-se no subsolo e não é afetada pelos bombardeamentos israelenses.

13/outubro/2023

Ver também:

O original encontra-se em new.thecradle.co/articles/gaza-resistance-stands-firm-six-days-into-israeli-onslaught

Esta notícia encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS