11.5 C
Brasília
terça-feira, 23 julho, 2024

A história se repete na Europa

 

 

Fonte da imagem: Reuters

Heba Ayyad*

A extrema direita não deixou nenhum lugar na Europa sem os seus impactos e a sua notável ascensão, seja através das urnas ou por meio de movimentos de protesto contra questões de imigração e asilo. O confronto da extrema direita com suas ramificações racistas, como indicam os resultados finais das eleições legislativas na França, posiciona-se politicamente entre a esquerda tradicional representada pelos partidos social-democratas e a esquerda progressista encarnada pelos partidos Verdes e pela juventude de esquerda recém-criada, e, por outro lado, a direita conservadora cuja bandeira é sustentada pelos partidos democrata-cristãos, interligada com partidos centristas e pequenos partidos liberais.

Quanto ao movimento de protesto de extrema direita, se opõe apenas através de protestos pacíficos que rejeitam o racismo e o discurso de ódio contra estrangeiros e refugiados, alinhando-se com a esquerda tradicional e progressista, enquanto a direita conservadora e os partidos liberais apresentam uma clara ausência nas ruas.

A ascensão da extrema direita já não se limita às democracias relativamente novas na Europa Central e Oriental (como na Hungria, por exemplo), nem às democracias economicamente desafiadas no sul (como na Itália, por exemplo). Não se pode mais atribuir a ascensão de extremistas e racistas apenas a problemas específicos em países principais da Europa, como as dificuldades de integração de pessoas com identidade islâmica na França, os desafios de integração dos estados orientais na Alemanha unificada e a promoção de uma cultura de tolerância em relação a estrangeiros e refugiados nas cidades orientais. A ascensão da extrema direita tornou-se um fenômeno geral e é provável que permaneça na vida política europeia por algum tempo.

Com sucessivos sucessos eleitorais e taxas de votação superiores a 30 por cento na França e próximas dos 20 por cento na Alemanha, Itália, Países Baixos, Suécia e outros, a extrema direita, com suas tendências racistas e populistas, tornou-se um bloco político influente na Europa. É muito provável que os conflitos que os países europeus testemunharão nos próximos anos estejam ligados eleitoralmente e por meio de protestos à posição da extrema direita, aos limites de convivência com ela, e às questões de imigração e asilo que ela levanta. Enquanto isso, a importância política de questões cruciais como o futuro dos sistemas de seguridade social, a distribuição da riqueza e as oportunidades para pessoas de baixa renda na educação e nos serviços de saúde continuarão a ser diminuídas pelo papel do estado e do setor privado em todos esses aspectos.

O que é evidente é que as condições na Europa hoje são alarmantemente semelhantes às condições entre o fim da Primeira Guerra Mundial em 1918 e o início da Segunda Guerra Mundial em 1939, quando os povos da Europa passaram por transformações rápidas e contraditórias. Entre as duas guerras, a Primeira Guerra Mundial resultou no colapso dos impérios da Casa de Osman (Império Otomano), da Casa de Habsburgo (Império Austro-Húngaro) e da Casa de Hohenzollern (governantes do Reino Alemão), além de legar as vastas terras do czarismo russo a um novo estado governado por um partido comunista cuja autoridade se consolidou após um período de transição confuso (a União Soviética), enfraquecendo economicamente, financeiramente, politicamente e militarmente. A Grã-Bretanha e a França venceram a guerra com a ajuda dos Estados Unidos da América, criando um amplo cenário para a formação de novos Estados nacionais, o surgimento de tendências políticas extremas e o desencadeamento de conflitos militares em várias regiões.

Quanto ao movimento de protesto de extrema-direita, a esquerda tradicional e progressista apenas se opõe a ele com protestos pacíficos que rejeitam o racismo e o discurso de ódio contra estrangeiros e refugiados.

Entre as duas guerras mundiais, formaram-se estados nacionais nos Balcãs, que foram libertados da influência do colonialismo otomano e austro-húngaro, assim como na área situada entre os territórios da Rússia czarista e da União Soviética de um lado, e as fronteiras ocidentais do antigo Império Austro-Húngaro e as fronteiras orientais do Reino Alemão, que perdeu suas terras na Europa Central, por outro lado. Também entre as duas guerras, surgiram correntes políticas violentas de extrema direita e extrema esquerda em todo o continente europeu, atraindo amplos setores populares para seu apoio. Partidos comunistas e movimentos fascistas não apenas ganharam força e influência na Alemanha, Áustria, Itália, Espanha e nos novos países dos Balcãs e da Europa Central, mas também estiveram presentes na Grã-Bretanha e na França, embora enfrentados por partidos conservadores de centro-direita e partidos trabalhistas e socialistas de centro-esquerda em ambos os países. Finalmente, entre as duas guerras, ocorreram confrontos armados nas fronteiras entre os remanescentes dos impérios desmoronados e os novos Estados, com intervenções militares aumentando por exércitos cujos governos queriam anexar terras sob soberania de outros países nas proximidades (como as guerras turco-gregas e os conflitos nos Balcãs, por exemplo), ou intervir por motivos ideológicos e políticos em conflitos e guerras civis em países distantes (como o apoio dos nazistas alemães às forças fascistas na Guerra Civil Espanhola).

Nas décadas de 1920 e 1930, eram comuns cenas de manifestações massivas e marchas tanto da direita fascista quanto dos comunistas nas cidades europeias, além de confrontos de rua entre apoiadores das duas ideologias e entre eles e as forças de segurança. Também eram frequentes as reuniões públicas em locais fechados, lotadas de multidões à espera de discursos inflamados dos líderes do fascismo e comunismo. Cenas de greves trabalhistas, protestos por vítimas de guerra e suas famílias, assim como pessoas desaparecidas, não eram incomuns nas cidades europeias, assim como assassinatos políticos e o uso de violência contra oponentes políticos (tanto de fascistas contra comunistas quanto vice-versa), bem como contra minorias religiosas, étnicas e linguísticas. Houve também crises frequentes em governos eleitos, com eleições antecipadas e excepcionais se tornando mais comuns, o que gradualmente empurrou movimentos violentos, radicais e extremistas para o centro das arenas políticas, assim como os fascistas e nazistas conseguiram obter assentos de poder em vários países através do voto eleitoral, sendo o caso alemão o exemplo mais desastroso em seus resultados.

Com o desenvolvimento da imprensa e da mídia entre as duas guerras, notícias de manifestações, greves, vídeos de guerras, confrontos armados, assassinatos, cenas de exércitos retornando das batalhas, e os pobres e necessitados saindo às ruas e praças em busca de salvação começaram a ser transmitidas por toda a Europa, criando entre o público em geral um estado de ansiedade, antecipação e medo do futuro, do qual apenas os pregadores se beneficiaram. Essa situação europeia encontrou sua tradução em muitas obras artísticas e literárias, desde a pintura de Pablo Picasso sobre a guerra civil na Espanha “Guernica” até as obras literárias de Max Frisch e Franz Kafka, que escreveram em alemão e transmitiram claramente o espírito ansioso do período entre guerras, passando pelas peças de Bertolt Brecht e pela música de Kurt Weill, que predominaram nos países de língua alemã.

Assim como o período entre as duas guerras mundiais foi politicamente caracterizado por rápidas transformações, materializadas pelo colapso de impérios, formação de novos Estados, ascensão de fascistas e comunistas, e pelas guerras e corridas armamentistas que provocaram, também foi caracterizado intelectual e culturalmente pelo domínio dos violentos, radicais e extremistas sobre o espaço público e a consciência das pessoas, além do declínio da popularidade das ideias centristas (direita e esquerda). Economicamente e socialmente, crises sucessivas aumentaram as taxas de pobreza, desemprego, inflação e dívida (tanto de países quanto de indivíduos), o que consequentemente intensificou greves e protestos até que componentes básicos do sistema econômico global entrassem em colapso e uma recessão se abatesse sobre os principais países em 1929 e 1930. Isso criou a imagem de um mundo futuro diferente de tudo que a humanidade conhecia até então, com um incrível progresso nos meios de transporte entre continentes, oceanos e países, conectando-os de uma forma que também criou a imagem de um novo mundo nunca antes visto pelos humanos. No contexto da ciência, tecnologia e movimento entre lugares, esses fenômenos apareceram em forte contraste com o que predominava politicamente, intelectualmente e socialmente.

Esta era a situação na Europa nos anos vinte e trinta, e tais eram as contradições entre suas transformações políticas, dominadas por radicais e extremistas, e o progresso científico e tecnológico que estava criando um mundo diferente e ganhando uma presença cada vez maior nas arenas de pensamento, cultura e arte. Tais eram as contradições nos diários das principais capitais e cidades europeias, entre marchas de fascistas e comunistas com slogans primitivos, cenas de pobreza e protesto, e entre teatros, cinemas e museus que se orgulhavam da ciência, dos cientistas, da tecnologia moderna, e das novas liberdades que as pessoas estavam adquirindo, como o transporte rápido, ao mesmo tempo em que denunciavam o primitivismo dos radicais e extremistas e espalhavam a crença na superação das crises econômicas e no socialismo através do conhecimento científico capaz de tudo, e que se alegrava com a libertação iminente do mundo inteiro da pobreza, da ignorância, do racismo e do colonialismo, enfrentando as ideias do direito à autodeterminação e à unidade da raça humana na Europa e além dela.

Tal foi o barril de pólvora europeu entre as duas guerras, e tais são as condições da Europa hoje, cuja estabilidade é violentamente abalada.

*Heba Ayyad

Jornalista internacional

Escritora Palestina Brasileira

ÚLTIMAS NOTÍCIAS