10.5 C
Brasília
sábado, 20 julho, 2024

A esquerda ocidental e a contradição EUA-China

Prabhat Patnaik [*]

Segmentos significativos da esquerda ocidental não comunista veem a contradição em desenvolvimento entre os Estados Unidos e a China em termos de uma rivalidade inter-imperialista. Tal caraterização cumpre três funções teóricas distintas do ponto de vista deles:   primeiro, fornece uma explicação para a crescente contradição entre os EUA e a China; segundo, fá-lo utilizando um conceito leninista e dentro de um paradigma leninista; e terceiro, critica a China como uma potência imperialista emergente e, portanto, por inferência, uma economia capitalista, o que está em conformidade com uma crítica ultra esquerdista da China.

Tal caraterização ironicamente torna esses segmentos da esquerda implícita ou explicitamente cúmplices das maquinações do imperialismo norte-americano contra a China. Na melhor das hipóteses, leva a uma posição que sustenta que ambos são países imperialistas, de modo que não faria sentido apoiar um contra o outro; na pior, leva a apoiar os EUA contra a China como o “mal menor” no conflito entre essas duas potências imperialistas. Em qualquer dos casos, leva à obliteração de uma posição oposicionista em relação às posturas agressivas do imperialismo dos EUA em relação à China; e uma vez que os dois países estão em desacordo na maioria das questões contemporâneas, leva a um silenciamento geral da oposição ao imperialismo dos EUA.

Há já algum tempo que sectores significativos da esquerda ocidental, mesmo aqueles que professam oposição ao imperialismo ocidental, têm apoiado as ações deste imperialismo em situações específicas. Isso foi evidente no seu apoio ao bombardeamento da Sérvia quando esse país era governado por Slobodan Milosevich; é evidente atualmente no apoio à OTAN na guerra em curso na Ucrânia; e é também evidente na sua chocante falta de qualquer oposição forte ao genocídio que está a ser perpetrado por Israel contra o povo palestino em Gaza com o apoio ativo do imperialismo ocidental. O silêncio ou o apoio à posição agressiva do imperialismo em relação à China por parte de certos sectores da esquerda ocidental não é, sem dúvida, necessariamente idêntico a estas posições, mas está em conformidade com elas.

Uma tal posição, que não se opõe frontalmente ao imperialismo ocidental, está, ironicamente, em total desacordo com os interesses e as atitudes da classe trabalhadora nos países metropolitanos. A classe trabalhadora na Europa, por exemplo, opõe-se esmagadoramente à guerra por procuração da NATO na Ucrânia, como é evidente em muitos casos de recusa dos trabalhadores em transportar carregamentos de armas europeias destinadas à Ucrânia. Isto não é surpreendente, pois a guerra também teve um impacto direto na vida dos trabalhadores ao agravar a inflação. Mas a ausência de qualquer oposição frontal da esquerda à guerra está a fazer com que muitos trabalhadores se voltem para os partidos de direita pois, mesmo que estes se alinhem com as posições imperialistas quando chegam ao poder, como Meloni fez na Itália, são pelo menos críticos dessas posições quando estão na oposição. A passividade da esquerda ocidental face ao imperialismo do ocidente está assim a provocar uma deslocação de todo o centro de gravidade político para a direita em grande parte da metrópole. Encarar a contradição entre os EUA e a China como uma rivalidade inter-imperialista faz parte desta narrativa.

Quanto ao facto de a China ser uma economia capitalista e, por conseguinte, estar envolvida em atividades imperialistas em todo o mundo em rivalidade com os EUA, os que defendem este ponto de vista estão, na melhor das hipóteses, a assumir uma posição moralista e a confundir “capitalista” com “mau” e “socialista” com “bom”. A sua posição equivale, de facto, a dizer:   Eu tenho a minha noção de como uma sociedade socialista se deve comportar (que é uma noção idealizada) e se o comportamento da China em alguns aspectos difere da minha noção, então, ipso facto, a China não pode ser socialista e, portanto, deve ser capitalista. No entanto, os termos capitalista e socialista têm significados muito específicos, que implicam a sua associação a tipos muito específicos de dinâmicas, cada tipo enraizado em certas relações básicas de propriedade. É verdade que a China tem um sector capitalista significativo, nomeadamente um sector caracterizado por relações de propriedade capitalistas, mas a maior parte da economia chinesa continua a ser propriedade do Estado e a caraterizar-se por uma direção centralizada que a impede de ter a auto-direção (ou “espontaneidade”) que caracteriza o capitalismo. Podemos criticar muitos aspectos da economia e da sociedade chinesas, mas chamar-lhe “capitalista” e, por conseguinte, envolvida em atividades imperialistas ao nível das economias metropolitanas ocidentais, é uma farsa. Não só é analiticamente incorreto como conduz a uma práxis que é palpavelmente contrária aos interesses tanto das classes trabalhadoras das metrópoles como dos trabalhadores do Sul global.

Mas a questão que se coloca de imediato é a seguinte:   se a contradição EUA-China não é uma manifestação da rivalidade inter-imperialista, então como podemos explicar a sua proeminência no período mais recente? Para o compreender, temos de recuar até ao período pós-Segunda Guerra Mundial. O capitalismo emergiu da guerra muito enfraquecido e enfrentando uma crise existencial:   a classe trabalhadora nas metrópoles não estava disposta a regressar ao capitalismo do pré-guerra, que tinha implicado desemprego e miséria em massa; o socialismo havia feito grandes progressos em todo o mundo; e as lutas de libertação no Sul global contra a opressão colonial e semi-colonial haviam atingido um verdadeiro crescendo. Por conseguinte, para a sua própria sobrevivência, o capitalismo teve de fazer uma série de concessões:   a introdução do sufrágio universal dos adultos, a adoção de medidas do Estado-providência, a instituição da intervenção do Estado na gestão da procura e, acima de tudo, a aceitação da descolonização política formal.

No entanto, a descolonização política não significou a descolonização económica, ou seja, a transferência do controlo dos recursos do terceiro mundo, até então exercido pelo capital metropolitano, para os países recém-independentes; na verdade, contra essas transferências o imperialismo travou uma luta amarga e prolongada, marcada pelo derrube de governos liderados por Arbenz, Mossadegh, Allende, Cheddi Jagan, Lumumba e muitos outros. Mesmo assim, o capital metropolitano não conseguiu impedir que os recursos do Terceiro Mundo escapassem, em muitos casos, ao seu controlo, para os regimes dirigistas que surgiram nesses países após a descolonização.

A maré virou a favor do imperialismo com o aparecimento de uma fase superior de centralização do capital que deu origem ao capital globalizado, incluindo sobretudo as finanças globalizadas, e com o colapso da União Soviética que, por sua vez, não foi totalmente alheio à globalização das finanças. O imperialismo enredou os países na teia da globalização e, por conseguinte, no vórtice dos fluxos financeiros globais, forçando-os, sob a ameaça de saídas financeiras, a seguir políticas neoliberais que significaram o fim dos regimes dirigistas e a reaquisição do controlo, pelo capital metropolitano, de grande parte dos recursos do Terceiro Mundo, incluindo a utilização da terra no Terceiro Mundo.

É neste contexto de reafirmação da hegemonia imperialista que se pode compreender o agravamento da contradição EUA-China e muitos outros desenvolvimentos contemporâneos, como a guerra na Ucrânia. Há duas características desta reafirmação que precisam de ser notadas:   a primeira é que o acesso ao mercado metropolitano para bens de países como a China, juntamente com a vontade do capital metropolitano de instalar fábricas nesses países para tirar partido dos seus salários comparativamente mais baixos para satisfazer a procura global, acelerou a taxa de crescimento nestas economias (e apenas nelas) do Sul global; fê-lo na China a um ponto em que a principal potência metropolitana, os EUA, começou a ver a China como uma ameaça. A segunda caraterística é a crise do capitalismo neoliberal que emergiu com virulência após o colapso da “bolha” imobiliária nos EUA.

Por ambas as razões, os Estados Unidos gostariam agora de proteger a sua economia contra as importações da China e de outros países do Sul global em situação semelhante. Embora essas importações possam estar a ocorrer, pelo menos em parte, sob a égide do capital americano, os EUA não podem correr o risco de se “desindustrializarem”. A vontade dos EUA de “reduzir a China” tão pouco tempo depois de a terem saudado pelas suas “reformas económicas” enraíza-se assim nas contradições do capitalismo neoliberal e, portanto, na própria lógica inerente à reafirmação da hegemonia imperialista. Não é a rivalidade inter-imperialista, mas a resistência da China, e de outros países que lhe seguem o exemplo, à reafirmação da hegemonia do imperialismo ocidental que explica o agravamento das contradições entre os EUA e a China.

À medida que a crise capitalista se acentua, à medida que aumenta a opressão dos países do terceiro mundo devido à sua incapacidade de pagar o serviço da sua dívida externa através da imposição de “austeridade” por agências imperialistas como o FMI, e que, por sua vez, suscita uma maior resistência por parte desses países e uma maior ajuda da China, as contradições EUA-China tornar-se-ão mais agudas e os requisitórios contra a China no Ocidente tornar-se-ão mais estridentes.

06/novembro/2023

Ver também:

[*] Economista, indiano, ver Wikipedia

O original encontra-se em peoplesdemocracy.in/2023/1105_pd/western-left-and-us-china-contradiction

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS