Brasília, 13 de outubro de 2021 às 13:08
Selecione o Idioma:

Cuba

Postado em 15/09/2021 8:54

À descoberta das mentiras sobre a síndrome que Washington inventou

.

O doutor em Ciências Michel Valdés Sosa, diretor-geral do Centro de Neurociências de Cuba (CNC), descreveu como uma «narrativa cientificamente inaceitável» a questão dos supostos incidentes de saúde ocorridos em 2017, envolvendo funcionários das embaixadas dos Estados Unidos e do Canadá, e vários de seus parentes, em Havana.

Valdés Sosa citou o primeiro relatório abrangente da Academia Cubana das Ciências, que examina todas as arestas dos supostos incidentes de saúde relatados por esses diplomatas. A pesquisa é baseada em informações coletadas a partir de dados fornecidos por especialistas internacionais e pesquisas das próprias academias científicas dos Estados Unidos, muitas vezes ignoradas ao abordar o assunto.

Em entrevista coletiva, o cientista, líder do grupo de mais de 20 pesquisadores que estudaram os acontecimentos, destacou que a falsa narrativa que circulou pelo mundo sobre o que eles chamam de «síndrome de Havana» apresenta os acontecimentos como se muitos funcionários norte-americanos e canadenses tivessem sido «atacados» com misteriosas armas de energia em suas casas ou em quartos de hotel em Havana.

Esta é uma versão reproduzida pela grande mídia, setores específicos de agências governamentais dos Estados Unidos, políticos e grupos de interesses especiais nos Estados Unidos.

Depois de quatro anos, e sem nenhuma evidência científica, as reportagens na imprensa continuam se multiplicando, o que cria confusão e fere as pessoas que acreditam nelas.

O certo é que esta falsa narrativa, cientificamente infundada, continua sendo mais um obstáculo ao normal desenvolvimento das relações entre Cuba e os Estados Unidos, enquanto se formulam sanções com base neste argumento adúltero e espúrio. Assim, mantêm a embaixada dos Estados Unidos em Havana praticamente inoperante, devido à diminuição de seu pessoal consular, causando desconforto à população e distanciando-se cada vez mais das famílias cubanas, obrigadas a procedimentos onerosos e burocráticos em terceiros países.

PESQUISADORES CUBANOS PERMANECEM DISPOSTOS A COOPERAR

Cientistas da Ilha maior das Antilhas mantêm a disposição de revisar as pesquisas, em caso de evidências, e convidam a um clima de colaboração aberta. Também rejeitaram firmemente que uma narrativa construída sem fundamentos científicos reais fosse dada como verdade estabelecida.

Lamentaram a falta de informação médica adequada sobre os pacientes para realizar seu trabalho e as restrições artificiais à colaboração com os pesquisadores norte-americanos que participaram das avaliações.

Ao mesmo tempo, reconheceram os esforços do governo canadense, que organizou intercâmbios com a equipe de pesquisa do Centro de Reparação Cerebral, da universidade de Dalhousie.

SEIS «VERDADES» SOBRE A «SÍNDROME DO MISTÉRIO» DESMONTADAS PELA CIÊNCIA

 

1. Uma nova síndrome com sintomas e sinais compartilhados está presente nos funcionários afetados

• Desmentida pelos Institutos Nacionais de Saúde, pelos Centros de Controle de Doenças e as Academias Nacionais de Ciência, Engenharia e Medicina (Nasem), dos Estados Unidos, com evidências suficientes para sustentar que a matriz de opinião sobre a misteriosa síndrome, causada por uma arma de energia não identificada, sobreviveu devido ao uso distorcido da ciência.

• É possível que alguns funcionários norte-americanos enquanto serviam em Havana tenham se sentido mal devido a um conjunto heterogêneo de condições médicas, algumas pré-existentes antes de virem a Cuba (por exemplo, trauma de ouvido, devido ao serviço militar), e outras adquiridas por causas comuns, como doenças relacionadas à idade, traumatismos cranianos por atividades esportivas e estresse, entre muitas outras possibilidades.

• Assim, um grupo heterogêneo de pessoas atribuiu erroneamente seus sintomas a uma causa externa comum.

2. É possível detectar danos cerebrais causados ​​durante a estada dos diplomatas afetados em Havana

• Evidência neuropsicológica inválida e resultados de imagens neurológicas altamente questionados, além de outros testes questionáveis. Questionado pela Nasem.

• Apenas uma minoria desses casos apresenta disfunções cerebrais notáveis, a maioria devido a condições pré-existentes à sua permanência em Havana (causadas por doenças naturalmente adquiridas e prevalentes ou por traumatismo craniano). Da mesma forma, outras causas são decorrentes de distúrbios neurológicos funcionais desenvolvidos pelo indivíduo ao longo de sua vida.

• A comunidade científica internacional e o relatório da Nasem rejeitam a maioria das evidências apresentadas para afirmar a existência de danos cerebrais generalizados em funcionários norte-americanos.

• Outras doenças prevalentes na população em geral podem explicar a maioria dos sintomas.

3. Existe uma fonte de energia direcionada que pode afetar o cérebro de pessoas de grandes distâncias, após cruzar as barreiras físicas de casas ou quartos de hotel

• Viola as leis da física. Só alcançável com equipamentos de altíssima potência e grande tamanho, difíceis de esconder.

• Nenhuma forma conhecida de energia pode causar danos cerebrais seletivamente (com precisão semelhante a um feixe de laser) nas condições descritas para os supostos incidentes de Havana.

• As leis da Física que regem as ondas de som, ultrassom, infra-som ou radiofrequência (incluindo microondas) não permitem isso, conforme reconhecido por especialistas norte-americanos e internacionais.

• Essas formas de energia não poderiam ter danificado cérebros sem serem sentidas ou ouvidas por outras pessoas, sem perturbar dispositivos eletrônicos no caso de microondas, ou sem causar outras lesões (como tímpano rompido ou queimaduras na pele).

• Vários fatores indicam que os sons percebidos pelo pessoal da embaixada provavelmente não são devidos à emissão de microondas, porque densidades de potência massivas, tanto de pico quanto de média, seriam necessárias para provocar a sensação de um som alto. Isso exigiria grandes equipamentos geradores de microondas, como radares militares usados ​​muito perto do alvo.

• A equipe da embaixada não relatou nenhum resfriamento pelo vento que deva ser causado por altas densidades de potência média de micro-ondas.

• A interferência eletromagnética, que sem dúvida resultaria da exposição a tais densidades máximas de potência, não foi relatada.

• A natureza direcional do som não se encaixa na descrição do efeito auditivo das microondas.

4. Uma arma capaz de gerar o referido agente físico pode ser fabricada e identificada.

• Embora existam armas que utilizam o som para dispersar multidões ou microondas para desativar os drones, são grandes e não há possibilidade de passarem despercebidos (ou deixarem rastros) se tivessem sido implantados em Havana.

• Além disso, não podem produzir os efeitos seletivos das pessoas descritas nos alegados incidentes.

5. A evidência de um ataque é descoberta

• Depois de cinco anos, nem a Polícia Cubana, nem o Bureau Federal de Investigações, nem a Real Polícia Montada Canadense, descobriram evidências de ataques a diplomatas em Havana, após intensas investigações.

6. As evidências disponíveis excluem explicações médicas alternativas

• Não é possível descartar explicações psicogênicas e tóxicas para muitos sintomas em alguns casos sem investigação adicional. Especificamente, todas as condições para a propagação psicogênica do desconforto estiveram presentes nesse episódio.

• Em consonância com essa hipótese, a equipe norte-americana de especialistas diagnosticou Tontura Postural Perceptual Persistente em apenas 25% dos pacientes estudados.

Comentários: