Brasília, 17 de setembro de 2021 às 13:38
Selecione o Idioma:

Papo do Dia:

Papo do Dia

Postado em 21/06/2020 1:31

16 ANOS DE SAUDADES DO LEONEL BRIZOLA

.

  por Sergio Caldieri*

No dia 21 de Junho completam 16 anos da morte de Leonel Brizola. Um dos poucos políticos brasileiros que sempre defendeu, lutou e sofreu as maiores perseguições por estar ao lado dos fracos e oprimidos deste país.

Brizola foi um grande nacionalista dando muitos exemplos, mas poucos assimilaram as suas intenções, pois a mídia conservadora brasileira procurou diuturnamente destruir a imagem de um político honesto que teve a eterna luta em melhorar a situação do povo miserável.
Basta lembrar que em 2003, o jornal O Globo publicou uma matéria sobre as seis mil crianças trabalhando de aviãozinho para os traficantes nos morros da cidade do Rio de Janeiro.
Mas na reportagem ninguém lembrou que estas crianças deveriam estar estudando nos 510 CIEPs construídos no Grande Rio e vários municípios fluminenses. Se mil crianças tivessem estudados nos 510 Cieps do governador Brizola desde maio de 1985 até hoje, em 35 anos, teriam estudados mais de 30 milhões crianças pobres nos famosos Brizolões idealizados por Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e a bela arquitetura de Oscar Niemeyer.
Ninguém lembrou em responsabilizar os culpados da tragédia ocorrida com as crianças, que foram os ex-governadores Moreira Franco e Marcelo Alencar, que de forma mesquinha inviabilizaram a proposta original dos Cieps. Do Moreira não poderia se esperar nada, pois sempre foi um lambe botas da ditadura, mas Marcelo Alencar como advogado, chegou a defender alguns presos políticos.
Este senhor, vale também lembrar, que em 1970 participou com os irmãos empreiteiro Maurício e e Mário da destruição do jornal Correio da Manhã, isso depois de uma empreitada política mal sucedida de apoiar o então pleiteante à indicação pelos militares para ser Presidente, o coronel Mario Andreazza. Eram conhecidos como os ‘irmãos metralhas’. A sua candidatura não vingou, o Correio da Manhã submergiu, dele restando apenas o esqueleto de suas instalações na Rua Gomes Freire, no bairro carioca da Lapa.
Quando Brizola foi governador do Estado do Rio a imprensa foi implacável em todos os sentidos. Como se a violência do capitalismo selvagem e o tráfico de drogas fossem culpa de Brizola.
Na ditadura, os agentes da repressão (SNI, Cenimar, Ciex e o DOI-Codi) achavam rapidinho os subversivos, os inimigos da pátria, que prendiam, torturavam e matavam. Só tinham competências para prender e torturar, mas, para achar um grande traficante de drogas ou armas, nunca procuraram. As polícias só prendiam ladrões de galinhas e traficantes pés de chinelos.
Os arapongas desocupados só faziam escutas telefônicas para vender matérias para as revistas.
Mesmo depois de morto, o jornal O Globo continuou destruindo a imagem de Leonel Brizola. Um araponga desopucadodo SNI achou um relatório de um “competentíssimo” agente contando que Brizola teria recebido dinheiro nas empresas de ônibus do Rio, mas na matéria de uma página com manchete de primeira página não tinha uma comprovação real, apenas o agente relatou insinuações.
Em  dezembro de 2018,  o presidente da Fetranspor Jacob Barata afirmou que somente o ex-governador Leonel Brizola nunca recebeu propina. Em compensação, pagou R$ 145 milhões a Sergio Cabral.
Uma semana antes da morte de Brizola, em 21/6/2004, o jornalista Ali Kamel, diretor executivo de jornalismo da Rede Globo escreveu artigo em que culpava o ex-governador pela violência no Rio de Janeiro. Em 2010, o poeta Ferreira Gullar, um crítico ferrenho do trabalhismo, escrevendo na Folha de S. Paulo, repetiu o que tinha dito Kamel há seis anos, ou seja, de que a culpa da violência no Rio de Janeiro é do Brizola. Não procedeu como um poeta, que poupa os mortos, mesmo sendo eles seus inimigos.
Ferreira Gullar com isso demonstrou que é um intelectual com falta de grandeza e que guarda rancor contra pessoas erradas, mas poupa até políticos reconhecidamente de direita, como demonstrou ao apoiar em 2006 o candidato a Presidente Geraldo Alckmin, do PSDB.
Durante uma reunião do Conselho Deliberativo da Associação Brasileiro de Imprensa (ABI), o ex-editor do caderno cidade de O Globo, Pinheiro Junior, lembrou que diariamente o diretor de redação Evandro Carlos de Andrade cobrava uma matéria contra Brizola: “Geralmente o chefe de reportagem já sabia da política do jornal e tomava providências para sempre haver notícias ou reportagens contra Brizola, principalmente matérias sobre os CIEPs”.
Segundo Pinheiro Junior, quando nada havia de novo, o editor geral cobrava:
“Te vira, arranja alguma coisa contra Brizola porque o doutor Roberto Marinho quer”.
Os exemplos de manipulações midiáticas contra Brizola não caberiam neste espaço. Mas vale assinalar que as mentiras e meias verdades das Organizações Globo contra o Governador Leonel Brizola foram uma continuidade histórica dos linchamentos midiáticos contra os Presidentes Getúlio Vargas (1954) e João Goulart (1964). Não se trata de uma simples conjectura, mas uma constatação. E quem tiver dúvidas, por favor, consulte na Biblioteca Nacional o jornal O Globo daqueles anos.

*Sergio Caldieri – Jornalista, escritor e diretor do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro-SJPERJ.

Comentários: