Brasília, 14 de setembro de 2021 às 10:10
Selecione o Idioma:

Brasil

Postado em 30/07/2017 10:19

​Da carteira assinada à vala negra das calçadas!

.

Chage do Bessinha

​Fonte: Conversa Afiada

Da Cegonhóloga, no Globo Overseas, de título “Primeira melhora” (sic):

O desemprego teve “a primeira queda estatisticamente significativa desde o último trimestre de 2014”, segundo o IBGE. A situação do mercado de trabalho continua dramática, mas o número veio melhor do que o esperado (sic) ​e confirma sinais já captados pelo Caged. A comemoração, no entanto, durou pouco porque em seguida o BC divulgou que a dívida pública ​é recorde e a crise fiscal permanece sem solução.

Depois de atingir 14,2 milhões de brasileiros no primeiro trimestre, o número de desempregados caiu para 13,5 milhões no trimestre encerrado em junho. Foram 690 mil pessoas que conseguiram algum tipo de trabalho nesse período, a grande maioria sem carteira assinada ou por conta própria, o que mostra que a recuperação tem sido frágil, lenta e gerado vagas de baixa qualidade. Quando a comparação é feita com o mesmo período de 2016, o número é 16% maior, o que significa 1,6 milhão de brasileiros a mais sem emprego.

(Ênfase minha – PHA)​

A Cegonhóloga agora celebra o que nos tempos plúmbeos do FHC Brasif na Presidência​ se chamava de “incentivo ao empreendedorismo”.

O pigais colonistas comemoravam o aumento maciço de desempregos com carteira assinada, porque havia uma legião de camelôs espalhados pelas ruas das cidades brasileiras: os “empreendedores”!

Aqueles que acreditavam na livre iniciativa e no Capitalismo e davam uma banana à carteira assinada e à CLT do Dr Getúlio!

Era a “lógica” dos adeptos do tal neolibelismo que agora volta na boléia da Cegonhóloga e na ação criminosa dos açougueiros do neolibelismo

Carteira assinada?

Direitos trabalhistas?

Que se danem!

Queremos a liberdade da camelagem!

Vender pilhas e panos de prato em cima das valas negras das feiras!

Na minha fome mando eu!

Viva o contrato intermitente de trabalho, a pejotização e a terceirização.

Quem ainda precisa da Lei Áurea?

Em nome da “modernização” das relações do Trabalho, as Cegonhologas e Cegonhólogos, empregados da Globo, defenderam a uberização da mão de obra.

(Provavelmente, porque a Lei Áurea não protegia suas empresas de palestras…)

E agora celebram a política de emprego do Golpe!

É assim que os Bolsonaros e Trumps começam: com a fúria dos desempregados!

Viva a República Federativa da Cloaca!

Como diz o Boulos a Casa Grande conseguiu afundar o Brasil numa Venezuela!

PHA

Comentários: