Brasília, 1 de julho de 2022 às 19:08
Selecione o Idioma:

Bolívia

Postado em 26/02/2022 7:43

Visita do relator da ONU confirma a necessidade de justiça na Bolívia

.

La Paz, 26 fev (Prensa Latina) O relator especial das Nações Unidas para a independência judicial, Diego García-Sayán, instou nesta semana a que se priorizasse a aplicação da justiça em relação aos massacres cometidos pelo governo de facto na Bolívia em 2019.

“As vítimas e parentes das vítimas ainda estão esperando por justiça e esperando por reparações, esta é uma questão que deve ser priorizada para que as pessoas afetadas pela violência possam encontrar alguma justiça”, insistiu o especialista.

Apresentando as conclusões preliminares de seu relatório após uma visita de trabalho à Bolívia que começou em 15 de fevereiro e terminou em 22 de fevereiro, García-Zayán deixou a oposição golpista em maus lençóis.

Ele disse que realizou uma reunião de trabalho de mais de três horas com familiares das vítimas em Sacaba, Senkata e na região sul, e como o relatório conclusivo do Grupo Interdisciplinar de Peritos Independentes (GIEI), ele colocou o número de mortes entre 11 e 19 de novembro em 37.

A este respeito, ele lamentou que “após dois anos, há poucos resultados nos processos de investigação” e lamentou o fato de que após estes eventos, que deixaram pessoas mortas, feridas, torturadas, ilegalmente detidas e perseguidas, nenhuma sentença foi proferida.

Ele considerou que, neste caso, sua visita “ajudará a incentivar a prioridade e a atenção justa para que as pessoas afetadas por estes atos de violência possam encontrar alguma justiça”.

O representante da ONU reconheceu numa declaração à imprensa o papel do procurador geral do estado, Wilfredo Chávez, sobre o assunto e elogiou sua proposta de legislação para melhor atender a esses casos.

Comentando em um tweet sobre a atividade do visitante na Bolívia, Evo Morales disse que a oposição golpista fracassou em sua tentativa de se apresentar como “vítimas” aos seus olhos.

“O golpe da direita falhou com sua vitimização para evitar a justiça. O povo boliviano e o mundo sabem que houve um golpe de Estado”, disse o líder do Movimento ao Socialismo (MAS) em sua conta no Twitter.

“O relator @UNIndepJudges certificou que não há perseguição política e criticou o fato de que até hoje as vítimas não alcançaram memória, verdade e justiça”, acrescentou o primeiro ex-presidente indígena do país andino-amazônico na rede social.

Questionado pela imprensa, o relator especial da ONU disse que em entrevistas com representantes da oposição e ativistas de direitos humanos, ele não encontrou ninguém para apoiar uma suposta perseguição política.

“Falou-se de perseguição política, (no entanto), não tive uma entrevista com nenhuma pessoa que me tenha contado fatos que apóiem a perseguição política”, garantiu García-Sayán.

O especialista da ONU concluiu que não podia dar uma resposta informada à questão de se alguém no país sul-americano está sendo perseguido por suas ideias políticas.

Após a visita, a ex-presidente de facto Jeanine Áñez suspendeu sua greve de fome na prisão feminina de Miraflores em La Paz, e um juiz decidiu que a audiência oral do julgamento que ela está enfrentando como ré no caso conhecido como Golpe de Estado II terá início em 28 de março.

Neste caso, Áñez e os principais chefes militares e policiais da Bolívia são acusados de tomar decisões inconstitucionais e cometer uma violação do dever a fim de facilitar a tomada de posse de fato da cadeira presidencial pelo ex-senador.

Outro caso envolvendo-a como ré junto com seus ex-ministros Álvaro Coímbra e Rodrigo Guzmán é conhecido como Golpe de Estado I, no qual eles são acusados de sedição, conspiração e terrorismo devido aos crimes cometidos depois que a autoproclamada presidente assinou o Decreto Supremo 4078 em 14 de novembro de 2019.

O decreto isentou a polícia e o pessoal militar da responsabilidade criminal por crimes cometidos durante a repressão aos manifestantes.

Tal uso da força deixou 37 mortos, 800 feridos e mais de 500 detidos, segundo o relatório publicado em dezembro de 2019 pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

Comentários: