Brasília, 1 de julho de 2022 às 19:50
Selecione o Idioma:

Haiti

Postado em 06/02/2022 7:37

Polícia do Haiti em alerta antes da convulsão em 7 de fevereiro

.

Porto Príncipe (Prensa Latina) De 5 a 10 de fevereiro a polícia haitiana estará em alerta máximo, confirmou seu diretor geral, Frantz Elbé, em preparação para 7 de fevereiro, quando são esperadas manifestações, foi anunciado neste sabado (05).

“Além dos casos de doença, ordenar o cancelamento de todas as licenças para que haja pessoal suficiente permanentemente disponível em todas as estruturas policiais”, lê a correspondência enviada pelo Elbé ao inspetor geral e aos diretores de departamento.

A data, que marca o 36º aniversário da queda da ditadura de Jean Claude Duvalier, marca o fim do mandato do presidente assassinado Jovenel Moïse, e para alguns setores também o governo do atual primeiro-ministro, Ariel Henry.

De fato, quase mil plataformas sócio-políticas signatárias do Acordo de Montana estão incentivando a instalação de uma nova administração, neste caso do economista Fritz Jean e do ex-senador Steven Benoit, como presidente e primeiro-ministro, respectivamente.

Estas organizações realizaram uma eleição no domingo passado e argumentam que sua proposta de um governo interino é a melhor solução para o país.

O atual primeiro ministro, Ariel Henry, difere desta leitura e recentemente reiterou que sua administração não terminará em 7 de fevereiro, e o próximo presidente será eleito em uma eleição geral.

Vários setores anunciaram que irão às ruas na próxima segunda-feira para exigir a demissão de Henry, que até agora tem o apoio da comunidade internacional, e para exigir a instalação do proposto Acordo de Montana.

Henry chegou ao poder logo após o assassinato do Presidente Jovenel Moïse, com o compromisso de investigar o assassinato, chegar a um consenso nacional, pacificar o país e realizar eleições, mas quase sete meses depois ele tem lutado para cumprir suas promessas.

Comentários: