Brasília, 28 de junho de 2022 às 14:30
Selecione o Idioma:

Paraguai

Postado em 13/04/2022 11:07

Petróleos Paraguai aumenta preços após revogação de subsídios

.

Assunção, 13 abr (Prensa Latina) A estatal Petróleos Paraguaios (Petropar) informou que a partir de hoje os preços do diesel e da nafta serão reajustados para cima, depois que o Executivo sancionou uma lei que revogou o subsídio à importação de combustíveis.

“O aumento é iminente e a partir de quarta-feira todos os nossos emblemas aumentarão seus preços para ficarem no mesmo nível dos emblemas particulares devido à eliminação do subsídio”, disse o presidente da Petropar, Denis Lichi, a repórteres.

Ele acrescentou que “a revogação da lei que subsidia a Petropar nos obriga a aumentar os preços”.

O Poder Executivo promulgou nesta terça-feira a revogação do regime de pagamento compensatório à Petropar pela venda a preços baixos do óleo diesel tipo III e da nafta 93 octanas.

A medida extinta foi adotada em 25 de março para mitigar o impacto do aumento dos preços dos combustíveis no mercado local e autorizou a Petropar a negociar diretamente com importadores internacionais, além de suspender as cotas de combustíveis para autoridades parlamentares.

Tal iniciativa havia sido aprovada na segunda-feira pelas duas câmaras do Congresso e com a nova lei também foi revogada a criação de um fundo para estabilizar o custo do combustível de um empréstimo de 100 milhões de dólares.

A regulamentação revogada foi amplamente rejeitada por setores da população e organizações sindicais, pois garantiram que seriam os contribuintes que subsidiariam os novos preços.

Além disso, na opinião dos deputados, tal disposição era um erro, pois criava concorrência desleal entre a Petropar e os importadores privados de combustíveis.

As autoridades informaram que, após a Páscoa, está agendada uma mesa de diálogo com importadores de combustíveis do setor estatal e privado, sindicatos de caminhoneiros e outros afetados, para acordar uma medida que visa estabilizar os preços no curto prazo.

Comentários: