Brasília, 21 de maio de 2022 às 11:33
Selecione o Idioma:

Internacional

Postado em 11/09/2020 8:52

Os EUA e o 11 de setembro

.

Washington, 11 de setembro (Prensa Latina) Os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 causaram comoções cujos vestígios ainda persistem nos Estados Unidos e em outras nações afetadas pela polêmica guerra contra o terrorismo que se iniciou depois desses acontecimentos.
Há 19 anos, a vida mudou no país norte-americano quando quatro aviões sequestrados por membros do grupo extremista Al-Qaeda caíram em diferentes pontos: dois contra as Torres Gêmeas do World Trade Center na cidade de Nova York; um no Pentágono, nesta capital; e outro perto de Shanksville, na Pensilvânia.

Dentro desta nação, muitas famílias ainda sofrem os efeitos do trágico atentado que deixou quase três mil mortos e mais de seis mil feridos, e como resultado cerca de 18 mil pessoas adoeceram devido aos resíduos tóxicos resultante do colapso das torres.

Todo mês de setembro, à medida que se aproxima o novo aniversário dos ataques, a frase Never Forget aparece com mais frequência na imprensa e nas redes sociais para lembrar as vidas inocentes perdidas, o sacrifício dos primeiros membros das forças da ordem. e, de uma forma geral, um momento que muitos viram como de grande unidade e patriotismo nacional.

Em meio às cerimônias e homenagens que costumam acompanhar este dia, que este ano terá diferentes formatos devido ao impacto da pandemia Covid-19, às vezes não é totalmente abordado como o 11 de setembro levou o governo dos EUA a adotar polêmicas decisões de política interna e externa.

Consumidos por medo, dor e indignação, os Estados Unidos se voltaram para seus líderes em busca de ação.

O Congresso e a Casa Branca responderam com uma expansão sem precedentes dos poderes militares, policiais e de inteligência com o objetivo de erradicar e deter terroristas, em casa e no exterior, observou um artigo recente publicado no site do Canal de televisão de história.

O analista David Sterman, que estuda terrorismo e extremismo violento, lembrou a esse meio que a combinação de medo e o reconhecimento de várias falhas de inteligência levou a uma série de mudanças de política que incluíram restrições à imigração, a criação do Departamento Segurança Nacional e ampliação da lista de pessoas proibidas de vôos.

Apenas seis semanas após o atentado, foi aprovada no país a chamada Lei Patriota, que conferiu ao governo o poder de aumentar a vigilância sobre os cidadãos e que foi duramente criticada por diversas organizações por violar as liberdades e garantias constitucionais.

No plano internacional, entretanto, o maior impacto começou em 20 de setembro daquele ano, quando o então presidente George W. Bush (2001-2009) propôs o que ele descreveu como uma guerra global abrangente contra o terrorismo.

Assim, os Estados Unidos, com o apoio de aliados ocidentais, invadiram o Afeganistão menos de um mês após os ataques, travaram guerra no Iraque em 2003 e depois expandiram as operações militares e o uso de drones para outros países.

O War Costs Project da Brown University estima que as guerras travadas por Washington desde 11 de setembro de 2001, causaram cerca de 800.000 mortes por violência direta, e em um relatório divulgado esta semana o centro acrescentou que, como resultado desses conflitos , pelo menos 37 milhões de pessoas foram deslocadas.

Segundo os autores do estudo, esse número supera os deslocados por outras conflagrações desde 1990, com exceção única da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

O relatório contabiliza o número de pessoas, a maioria civis, deslocadas dentro e do Afeganistão, Iraque, Paquistão, Iêmen, Somália, Filipinas, Líbia e Síria, onde os combates foram mais significativos.

De acordo com os pesquisadores, o número mencionado é uma estimativa conservadora e o número real pode variar entre 48 milhões e 59 milhões, já que a estimativa não inclui os deslocados em países com operações menores de contraterrorismo dos Estados Unidos, como Burkina Faso, Camarões, República Centro-Africana e o Chade.

A publicação desse relatório, o primeiro que se concentra no cálculo do número de deslocados devido às operações militares dos Estados Unidos, mostra que ainda há muito a ser abordado em relação a um evento que deixou feridas abertas quase duas décadas depois.

Comentários: