Brasília, 4 de dezembro de 2021 às 07:23
Selecione o Idioma:

Meio Ambiente

Postado em 08/10/2021 7:47

Objetivo 55: O Acordo Verde da UE e o colapso industrial da Europa

.

Fábrica arruinada.

  1. William Engdahl [*]

Uma das raras declarações honestas de Bill Gates foi a sua observação no início de 2021 de que, se achar que as medidas Covid são más, espere até ver as medidas quanto ao aquecimento global. A União Europeia está em vias de impor, de cima para baixo, as medidas mais draconianas já vistas até à data, que destruirão efectivamente a indústria moderna nos seus 27 Estados membro. Sob nomes divertidos como “Fit for 55” e European Green Deal, tecnocratas não eleitos estão a finalizar em Bruxelas medidas que irão causar o pior desemprego industrial e o pior colapso económico desde a crise dos anos 30. Indústrias como o automóvel ou os transportes, a produção de energia e o aço estão no bloco de corte, tudo com base na hipótese não comprovada do chamado aquecimento global de origem humana”.

Apesar de a maior parte dos cidadãos da UE ter sido distraída por infindáveis restrições devido a uma pandemia de gripe chamada Covid19 , os tecnocratas da Comissão Europeia em Bruxelas têm estado a preparar um programa de desintegração planeada da economia industrial da UE. O aspecto conveniente de um grupo supranacional não eleito em Bruxelas ou Estrasburgo é que eles não são responsáveis perante quaisquer eleitores reais. Eles até têm um nome para isso: Défice Democrático. Se as medidas prestes a serem finalizadas pela Comissão da UE sob a presidência da alemã Ursula von der Leyen e do vice-presidente para o Aquecimento Global, o tecnocrata holandês Frans Timmermans, forem promulgadas, eis uma pista do que poderá acontecer.

“Objetivo 55”

A 14 de Julho, a Comissão Europeia apresenta a sua agenda verde “Objetivo 55”. Apesar de o título soar mais como um anúncio para um gabinete de saúde para a meia-idade, será o programa de desindustrialização mais draconiano e destrutivo alguma vez já imposto sem ser através da guerra.

O Objetivo 55 será o quadro central de novas leis e regras provenientes de Bruxelas para reduzir drasticamente as emissões de CO2, utilizando esquemas tais como taxas de carbono, limites de emissões e esquemas de limitação e comércio.

Em Abril de 2021, a Comissão Europeia anunciou um novo objetivo da UE em matéria de clima: As emissões serão reduzidas em 55 por cento até 2030, a comparar com os 40 por cento acordados em 1990. Daí o lindo nome “Objetivo 55”. Mas a indústria e a força de trabalho dos estados da UE estarão muito longe de estarem aptos se o plano for avançado. Dito de forma simples, isto é fascismo tecnocrático a ser imposto sem debate público sobre 455 milhões de cidadãos da UE.

Este Objetivo 55 constitui a primeira vez no mundo que um grupo de países, a UE, impõe oficialmente uma agenda para forçar um absurdo “Zero” CO2 até 2050 e 55% menos CO2 até 2030. O Comissário Frans Timmermans disse em maio: “Vamos reforçar o Sistema de Comércio de Emissões da UE, atualizar a Diretiva de Tributação da Energia e propor novas normas de CO2 para automoveis, novas normas de eficiência energética para edifícios, novas metas para as energias renováveis e novas formas de apoiar combustíveis limpos e infra-estruturas para transportes limpos”. Na realidade, irá destruir a indústria dos transportes, do aço e do cimento, bem como a produção de electricidade a partir de carvão e gás.

Aqui estão as partes principais do sinistro “Objectivo 55”.

Carros e camiões

Um dos principais objetivos do Acordo Verde da UE serão medidas que obrigarão veículos com motor de combustão interna – carros e camiões a gasolina ou gasóleo – a aderir a limites de emissão de CO2 tão punitivos que serão forçados a sair das estradas até 2030, se não mais cedo. O plano mudará o atual objetivo de uma redução de 37,5% nas emissões de CO2 dos veículos até 2030 para, segundo rumores, emissões zero até 2035.

A 7 de Julho, uma coligação de sindicatos, empresas da indústria dos transportes e fornecedores, incluindo a Confederação Europeia de Sindicatos e a Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis, escreveu um apelo urgente aos Czar Verde da UE, Frans Timmermans. Eles declararam, “…queremos ver transformação industrial e inovação na Europa, ao invés de desindustrialização e desestruturação social”. A carta salientava que a UE não tem planos para uma chamada “Transição Justa” para a indústria automobilística da UE, incluindo a não formação de novas competências para trabalhadores deslocados: “Atualmente, não existe tal enquadramento para os 16 milhões de trabalhadores do nosso ecossistema de mobilidade e, nomeadamente, para o sector automóvel europeu, que é uma grande fonte de emprego industrial”.

Não se trata de uma questão menor, uma vez que a transição de automóveis e camiões com motor de combustão interna para E-autos significará uma enorme ruptura sem precedentes nas atuais cadeias de fornecedores automóveis. A carta destaca que em toda a UE, o sector automóvel tem 8,5% de todos os postos de trabalho da indústria transformadora europeia e em 2019 produziu quase 10% do PIB só na Alemanha, juntamente com 40% das despesas de investigação e desenvolvimento do país. A UE representa hoje mais de 50% das exportações mundiais de produtos automóveis. Salientam que a transição para veículos com emissões zero de CO2 significará uma perda de pelo menos 2,4 milhões de empregos qualificados e com salários elevados em toda a UE. Regiões inteiras ficarão deprimidas. A carta assinala que Bruxelas ainda sequer mapeou as consequências do Acordo Verde para o sector automóvel.

Manifestação dos Coletes Amarelos em França.

Em Abril, a presidente alemã da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, indicou que em Julho o Objetivo 55 poderia estender um esquema draconiano de comércio de emissões de carbono (carbon emissions trading, ETS) para além das centrais eléctricas ou da indústria, de modo a abranger o transporte rodoviário e os edifícios num acrescento ao princípio do “poluidor-pagador”. O vínculo ao ETS forçará automaticamente sanções financeiras aos condutores ou proprietários de habitações para além das actuais taxas de carbono, apesar de um impacto muito limitado de cerca de 3% nas emissões. Isto, para além de normas mais rigorosas em matéria de emissões de automóveis, dará um golpe fatal aos consumidores e à indústria. Quando o governo francês impôs tal imposto sobre o carbono em 2018 desencadeou protestos nacionais dos Coletes Amarelos e forçou Paris a retirá-lo.

Aço

O plano drástico da UE contém novas disposições que implicarão mudanças drásticas para as indústrias de aço e cimento da UE, intensivas em energia. O aço é a segunda maior indústria do mundo, após a do petróleo e do gás. Atualmente, a UE é o segundo maior produtor de aço do mundo, a seguir à China. A sua produção é superior a 177 milhões de toneladas de aço por ano, ou 11% da produção global. Mas o plano Timmermans introduzirá novas medidas que penalizarão as importações de aço de produtores “sujos”, mas que de facto tornarão o aço da UE menos competitivo a nível global. As fugas do plano da UE indicam que planeiam eliminar as atuais licenças de poluição ETS para indústrias de energia intensiva, como o aço ou o cimento. Isso aplicará um golpe devastador sobras estas duas indústrias essenciais. Chamam a isto Mecanismo de Ajustamento das Fronteiras de Carbono (Carbon Border Adjustment Mechanism). Como indica o Center for European Policy Network, os exportadores de aço da UE “não receberão qualquer compensação pela não continuação das alocações gratuitas. Em consequência, sofrem desvantagens competitivas consideráveis em relação aos seus concorrentes de países terceiros”.

Impostos sobre o carbono do carvão

O novo objetivo climático da UE de 55% para 2030 implica uma quase completa eliminação gradual do carvão até 2030 por toda a UE. Isto atingirá a Alemanha, de longe o maior utilizador de carvão da UE. O governo alemão, já com a energia eléctrica mais cara do mundo devido à transição da Merkel Energiewende para as inconfiáveis energias solar e eólica e que verá a última central nuclear encerrada em 2022, acaba de abandonar recentemente o seu plano de eliminação progressiva do carvão até 2038. Ele irá ser eliminado muito mais cedo, mas por razões políticas óbvias num ano de eleições, não revelou a sua nova data para o “carvão zero”.

O absurdo de acreditar que a UE, especialmente a Alemanha, será capaz de alcançar o carvão zero até 2030, substituindo-o nem mesmo pelo gás natural, mas sim por energia solar e eólica não confiável, já é evidente. Em 1 de Janeiro de 2021, como parte do mandato do Governo sobre a redução do carvão, 11 centrais eléctricas alimentadas a carvão com uma capacidade total de 4,7 GW foram encerradas. Essa desativação durou oito dias, pois várias das termo-eléctricas a carvão tiveram de ser reconectadas à rede a fim de evitar apagões devido a um período prolongado de vento fraco. Foi ordenado que após o encerramento as centrais a carvão passariam a operar sob o regime de reserva, à custa dos consumidores. A comissão governamental de Berlim que elaborou o plano de abandono progressivo do carvão não incluiu representantes da indústria energética nem quaisquer peritos da rede eléctrica.

Com o novo elemento do destrutivo Objectivo 55 da Comissão Europeia, o coração da indústria europeia, a Alemanha, está pré-programado não só para grave desemprego industrial nos sectores do aço, cimento e automóvel. Está também pré-programado para apagões de energia, como o que devastou o Texas no início de 2021, quando os moinhos de vento congelaram. Em 2022 na Alemanha, como já foi observado, a última central nuclear juntamente com outras centrais de carvão será encerrada, removendo 3% da potência. Um adicional de 6.000 turbinas eólicas também sairá devido à idade, num corte total de 7%. No entanto, o acréscimo planeado de novas turbinas eólicas e paineis solares sequer se aproxima para substituir isso. Assim, até 2022 a Alemanha poderá ter um défice de capacidade entre 10% e 15% do lado da geração.

A Grande Reinicialização do WEF e o Acordo Verde da UE

Para cidadãos comuns sãos, a coisa difícil de compreender com este Objetivo 55 da UE e a Grande Reinicialização (Great Reset) de Davos, ou com a relacionada Agenda 2030 da ONU, é que tudo isto é um deliberado plano tecnocrático para a desintegração da economia, utilizando a desculpa fraudulenta de um não comprovado perigo de aquecimento global que alega – com base em modelos informáticos duvidosos que ignoram a influência do Sol sobre os ciclos climáticos da Terra – que assistiremos a uma catástrofe até 2030 se o mundo não cortar emissões de CO2 inócuas e essenciais à vida.

O sempre ativo Fórum Económico Mundial de Davos, como parte da sua Grande Reinicialização, está também a desempenhar um papel significativo na formação do “Acordo Verde Europeu” (“Europe Green Deal”) da Comissão Europeia. em janeiro de 2020, o Fórum Económico Mundial na sua Reunião Anual em Davos reuniu líderes da indústria e das empresas com o vice-presidente executivo Frans Timmermans para explorar a forma de catalisar o “European Green Deal”. A revelação de 14 de Julho por Bruxelas é o resultado. O WEF apoia o CEO Action Group for the European Green Deal para conseguir que as grandes corporações apoiem o plano distópico de Bruxelas.

/Outubro/2021

Ver também:

Objetivo 55: alcançar a meta climática da UE para 2030 rumo à neutralidade climática

cor.europa.eu/pt/news/Pages/FIT-FOR-55-PACKAGE.aspx

ec.europa.eu/commission/presscorner/detail/en/ip_21_3541

www.acea.auto/message-dg/fit-for-55-a-much-needed-reality-check-for-eu-policy-and-decision-makers-to-keep-mobility-accessible/

[*] Consultor e conferencista sobre risco estratégico, licenciado em política pela Universidade de Princeton e autor de best-sellers sobre petróleo e geopolítica.

O original encontra-se em www.williamengdahl.com/englishNEO12July2021.php

Comentários: