Brasília, 19 de janeiro de 2022 às 13:34
Selecione o Idioma:

Internacional

Postado em 19/04/2020 11:43

O mundo contra Trump

.

Por Glenda Arcia Havana, 18 de abril (Prensa Latina) Enquanto o mundo tenta conter a pandemia de Covid-19 e os sistemas de saúde de muitos países estão sobrecarregados, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou a retirada da contribuição financeira de Washington para Organização Mundial da Saúde (OMS), uma decisão que provocou fortes críticas de várias partes do mundo.Em nota, o secretário-geral da ONU, António Guterres, rejeitou a posição do presidente dos EUA e afirmou que não é o momento de tais ações, mas de unidade e solidariedade.

Na União Europeia, o alto representante daquele bloco de Relações Exteriores e Política de Segurança, Josep Borrell, descreveu o comportamento de Trump como injustificável e pediu a unidade como a única arma eficaz para acabar com o SARS-CoV-2.

Após defender o papel de liderança da OMS na luta contra o novo coronavírus, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou que essa crise só pode ser superada com uma resposta internacional forte e coordenada.

Segundo os dados da OMS, até o fechamento desta edição, o número de infecções ultrapassava dois milhões, enquanto os mortos somavam mais de 140 mil.

Países como França, Reino Unido, Irã, Cuba e China e entidades como a União Africana e a Comissão Européia (CE) também expressaram seu apoio à agência das Nações Unidas.

A presidente da CE, Ursula von der Leyen, anunciou uma conferência em 4 de maio para arrecadar fundos para contribuir com a descoberta de uma vacina contra o novo coronavírus.

Enquanto isso, o Ministério das Relações Exteriores de Cuba considerou os esforços da ONU e da OMS essenciais e criticou o fato de o governo dos Estados Unidos atacar o multilateralismo em momentos que exigem cooperação.

Somente o esforço global politicamente sem preconceitos de desenvolver e compartilhar pesquisas e trocar experiências em prevenção e proteção ajudará a reduzir a duração dessa doença e reduzir a perda de vidas, enfatizou o Ministério das Relações Exteriores do Caribe.

A China alertou que a decisão de Trump enfraquecerá as capacidades de trabalho da OMS e prejudicará a cooperação global.

Nos Estados Unidos, o presidente da Associação Médica, Patrice Harris, apontou que interromper o financiamento da agência durante a pior crise de saúde pública em um século é um passo perigoso na direção errada que não facilitará a derrota do novo coronavírus.

Depois de tomar conhecimento da decisão de Trump, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesu, disse que a única preocupação da organização é ajudar todos os povos a salvar vidas e acabar com a pandemia e nesta tarefa ‘não há tempo para perder ‘.

Comentários: