Brasília, 14 de maio de 2022 às 14:58
Selecione o Idioma:

Internacional

Postado em 04/03/2021 11:12

O Irã resiste diante das exigências abusivas dos EUA na questão nuclear

.

Reator de Bushehr.

Por M. K. Bhadrakumar [*]

Teerã rejeitou no domingo 28 uma proposta pendente da União Europeia para organizar uma “conversação diplomática” com os EUA. Mas a declaração iraniana a este respeito é bastante nuançada. Falando aos jornalistas em Teerã no domingo, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Saeed Khatibzadeh, declarou:

“Tendo em conta as recentes posições e medidas tomadas pelos Estados Unidos e pelos três países europeus [signatários do JCPOA], a República Islâmica do Irão acredita que este não é um bom momento para realizar uma reunião não oficial sobre o acordo, tal como proposto pelo chefe da política externa da UE, Josep Borrell”.

Khatibzadeh acrescentou: “O caminho a seguir é bastante claro. Os EUA devem pôr fim às suas sanções ilegais e unilaterais e regressar aos seus compromissos no âmbito do JCPOA. Esta questão não necessita de negociação, nem de uma resolução do Conselho de Governadores [da Agência Internacional da Energia Atómica]. A República Islâmica do Irã responderá às ações com ação e, da mesma forma, regressará aos seus compromissos JCPOA à medida que as sanções forem sendo removidas, responderá também em espécie a todas as medidas e comportamentos hostis”.

Simplificando, isto pode muito bem tornar-se mais uma patetice da Administração Joe Biden na sua política do Golfo, para além do erro da antiga aliança EUA-Saudi de sete décadas. A administração Biden deveria saber que Teerã nunca falaria diretamente com os EUA enquanto Washington mantiver o seu atual nível de sanções. O Presidente Trump intimidou o Irão durante três anos e fracassou.

Curiosamente, ao invés de oferecer qualquer alívio de sanções, Biden adoptou uma atitude sobranceira, insistindo em que o Irã deveria primeiro regressar à JCPOA e não aos EUA – embora tenha sido a retirada de Trump em 2018 que tivesse precipitado toda a sequência de desenvolvimentos que resultaram no atual impasse. Biden não deveria ter começado uma disputa tão mesquinha, tendo em conta os altos riscos envolvidos.

Enquanto isso, o secretário de Estado Antony Blinken reuniu os signatários do E3 da JCPOA (Reino Unido, França e Alemanha) para se harmonizarem com a posição dos EUA sobre a questão do Irã e foi emitida uma declaração conjunta que fez uma fiada de exigências ao Irão. Blinken aparentemente assume que Teerã está desesperado para conversar de qualquer maneira.

A Casa Branca começou simultaneamente a consultar Israel, apesar da posição deste último de que Biden deveria recuperar a estratégia de pressão máxima do seu antecessor e simplesmente duplicá-la. De acordo com relatórios, os EUA e Israel irã cooperar no âmbito de um mecanismo ao nível dos dois Conselheiros de Segurança Nacional para trocar pontos de vista, coordenar e navegar na questão do Irão.

Além disso, Biden embarcou num bizarro ataque aéreo à Síria na noite de quinta-feira passada e jactou-se de estar a dar uma advertência ao Irã. Como ele disse, “Não se pode agir impunemente. Tenham cuidado”. Uma flexão de músculos neste momento delicado era evitável. Ironicamente, o próprio partido de Biden denunciou ataques aéreos semelhantes de Trump no passado, sem a autorização do Congresso.

Acima de tudo, Blinken persuadiu o E3 a mover o Conselho dos Governadores da AIEA a censurar o Irão pela sua decisão de suspender o Protocolo Adicional da JCPOA (que era, em primeira instância, uma disposição voluntária).

Os diplomatas americanos distribuíram na quinta-feira um documento que enumerava as queixas de Washington e ordenava ao Irã que cooperasse plenamente com os inspetores. A censura proposta sugere que os EUA estão a aumentar a pressão gradualmente. A resolução E3 “sublinharia a forte preocupação com as conclusões da AIEA” e “expressaria a profunda preocupação do conselho no que respeita à cooperação do Irã”.

De fato, é provável que Israel esteja de novo a puxar os cordelinhos por detrás da cena e a alimentar [o conselheiro] NSA da Casa Branca, Jake Sullivan, com inteligência manipulada. Da mesma forma, Biden poderia estar deliberadamente a arrastar os pés e a exibir-se a fim de marcar pontos políticos com republicanos, sauditas, ou israelenses.

Em todo o caso, o ímpeto está a perder-se a cada dia que passa. Confie no eixo Israel-Saudi-UAE para agora intensificar os esforços no sentido de frustrar quaisquer conversações EUA-Irã. Riade está a ferver de fúria depois da humilhação sofrida com o relatório da CIA sobre Jamal Khashoggi. Biden também precisa de estar atento ao estado de espírito no Congresso onde tem assuntos importantes a tratar nos próximos dias e semanas – a começar pelo pacote de ajuda Covid-19.

Para além de tudo isto, os Estados Unidos também têm aumentado as tensões com a Rússia, cuja ajuda é vital para moderar a posição do Irã aqui, aqui , aqui e aqui ). Evidentemente, a mão esquerda não sabe o que quer a mão direita.

Está a surgir um ponto fulcral. Mikhail Ulyanov, o representante permanente da Rússia junto de organizações internacionais em Viena, disse num tweet no domingo, “A sessão do Conselho de Governadores da AIEA terá início amanhã [1 de Março]. Pode predeterminar novos desenvolvimentos em torno do programa nuclear iraniano, bem como perspectivas de plena restauração da JCPOA. Todos os Governadores precisam de ter isto em mente e de exercer uma abordagem responsável”.

O Irã enviou uma carta à AIEA avisando que pode cessar a sua cooperação com os vigilantes da ONU se esta adoptar a resolução em Viena. Tardiamente, a equipa Biden parece ter entendido que exagerou e ter precipitou uma situação grave.

No domingo, um porta-voz da Casa Branca disse à Reuters , logo que chegou a notícia vinda de Teerã sobre a sua rejeição de conversações: “Se bem que estejamos desapontados com a resposta do Irão, permanecemos prontos a retomar uma diplomacia significativa a fim de alcançar um retorno mútuo ao cumprimento dos compromissos da JCPOA”.

Trata-se de palavras conciliatórias, mas é difícil ver como os EUA e os E3 poderiam voltar atrás na sua ameaça de censura da AIEA sem uma séria perda de prestígio. Agora vai ser ainda mais difícil para Biden fazer aquilo que deveria ter sido a coisa natural a fazer, nomeadamente remover algumas das sanções contra o Irã.

[*] Analista político, indiano.

O original encontra-se em

www.indianpunchline.com/iran-pushes-back-at-us-overreach-on-nuclear-issue/

Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .

Comentários: