Brasília, 1 de julho de 2022 às 16:00
Selecione o Idioma:

Bolívia

Postado em 13/04/2022 11:01

Ministro promete transparência sobre o tráfico de drogas na Bolívia

.

La Paz (Prensa Latina) O Ministro de Governo da Bolívia, Eduardo del Castillo, garantiu hoje que seu gabinete “garantirá a transparência” da investigação após a publicação de áudios que implicaram policiais em um suposto encobrimento de traficantes de drogas.

“Viemos para transformar a polícia para oferecer um serviço melhor e fazer as pessoas se sentirem muito mais seguras”, disse ele, referindo-se ao caso investigado depois que o ex-presidente Evo Morales publicou as gravações.

Na semana passada, Morales fez conversas públicas sobre um suposto encobrimento e, ao mesmo tempo, o então diretor da Força Especial de Combate ao Tráfico de Drogas (Felcn), José María Velasco, questionou sua veracidade.

No entanto, 48 horas depois, ele foi demitido e o chefe do governo ordenou uma intervenção policial, um teste de polígrafo ou detector de mentiras para cem por cento de seus membros, e a renovação de sua liderança.

Del Castillo nomeou José Illanes como o novo chefe antinarcóticos, instruiu um processo de inspeção interna e instruiu o Inspetor de Polícia Álvaro Álvarez a “intervir no Felcn com acesso irrestrito às informações necessárias”.

Destacou que o objetivo é esclarecer o caso conhecido como “Audios” nos próximos 15 dias, quando o relatório deverá estar no “gabinete do Ministério do Governo, que será dado a conhecer a todo o povo boliviano”.

Na terça-feira, del Castillo disse que dos mais de mil policiais Felcn submetidos desde ontem ao polígrafo, aqueles que falharem no teste serão transferidos daquela unidade.

“O talento humano que não passar no teste do polígrafo será imediatamente retirado do Felcn para realizar novas funções”, disse del Castillo em uma coletiva de imprensa após uma cerimônia de aniversário na Academia de Polícia em La Paz.

Descreveu que os inspetores desta força armada já intervieram para tomar declarações de seus membros e realizar as avaliações correspondentes.

O ministro insistiu que aqueles que demonstrarem “algum pequeno elemento” de não conformidade com seu papel serão transferidos para outras funções fora do Felcn.

Comentários: