Brasília, 27 de outubro de 2021 às 09:25
Selecione o Idioma:

Cultura

Postado em 03/09/2021 6:17

Livro bilíngue reúne Desenhos e Histórias da Cultura Guarani

.

“Nosso modo de aprendizagem é a árvore, por isso nós aprendemos debaixo da árvore. Nosso mestre é a árvore Ipê. Da árvore, nós adquirimos os conhecimentos. A árvore é o princípio de nosso conhecimento. José Verá (Nhemombaraete Reko Rã’i: fortalecendo a sabedoria)

No litoral norte do Rio Grande do Sul, está localizada a Aldeia Yvyty Porã, na Terra Indígena Guarani Barra do Ouro, conhecida entre os não indígenas como “Aldeia do Campo Molhado”. Com um passado de resistência guarani, essa área foi retomada pelos Mbya Guarani e demarcada há cerca de 30 anos, sendo uma das maiores terras indígenas exclusivamente guarani do estado do RS. Lá vive José Verá: autor do livro “Nhemombaraete Reko Rã’i: fortalecendo a sabedoria” (Riacho, 128 págs. R$ 60,00), que reúne seus desenhos e, para cada uma deles, histórias e ensinamentos da cultura guarani. A inauguração da campanha de lançamento acontece no dia 4 de setembro (sábado), na FAE – Feira dos Agricultores Ecologistas (Banca do Meio | Rua José Bonifácio, Porto Alegre), às 10h. Durante o mês de setembro, o livro poderá ser adquirido pelo preço promocional de R$ 40,00 através do site www.riacho.me/josevera. Em seguida, a publicação bilíngue português/guarani estará disponível para a venda na livraria Via Sapiens (Porto Alegre), no site do selo Riacho e também direto com o autor.

José Verá, de 71 anos, desenhista autodidata nasceu para a “contação de histórias”. A Aldeia Serra Bonita (Yvyty Porã), situada entre os municípios de Caraá, Maquiné e Riozinho, serviu de inspiração e guia. “Eu escrevi aqui, dentro dessa casa, dentro da minha aldeia, no meio da minha família”, relembra o artista. “Não saí para outro lugar. Eu recebi uma mensagem diretamente para mim”, explica. Produzidos a lápis e caneta, os desenhos espelham a espiritualidade do povo Mbya Guarani e sua relação com a biodiversidade.

Mensagens sobre ecologia e vida em comunidade permeiam a obra. Com títulos como O Lua (Jaxy), O Sol (Kuaray), Nossa mãe verdadeira (Nhandexy anhetêngua), Erva-mate (KaꞋa), Escola (NhemboꞋea), os temas do livro rendem lições para indígenas e especialmente para não indígenas. As histórias evidenciam a íntima relação que têm os povos indígenas com o território. E por isso trazem à luz a relevância que teve a luta travada pelos indígenas pela autodemarcação dessa área há três décadas.

As histórias que compõem “Nhemombaraete Reko Rã’i: fortalecendo a sabedoria” foram ditadas por José Verá a professores guarani, que fizeram posteriormente a revisão e tradução para a língua portuguesa. O livro foi composto de forma colaborativa, com visitas à comunidade com protótipos impressos e digitais para decidir o visual final da publicação. O projeto foi executado através do Edital Criação e Formação Diversidade das Culturas realizado com recursos da Lei Aldir Blanc nº 14.017/20 e é uma das ações da AEPIM (Associação de Estudos e Projetos com Povos Indígenas e Minoritários), organização não governamental que atua desde 2009 em parceria com povos indígenas, quilombolas, comunidades pescadoras e de agricultura familiar. A publicação tem edição e projeto gráfico do selo editorial Riacho ( @riacho.me / www.riacho.me ) ativo desde 2016 com foco no fazer poético e na diversidade socioambiental.

Serviço

Título: Nhemombaraete Reko Rã’i: fortalecendo a sabedoria

Autor: José Verá

Edição: Riacho

Número de páginas: 128

Preço de capa: R$ 60,00 (preço promocional de R$ 40,00 durante o mês de setembro)

Onde comprar: Riacho, Via Sapiens

Lançamento: dia 04/09/21 (sábado), na FAE – Feira dos Agricultores Ecologistas (Banca do Meio | Rua José Bonifácio, Porto Alegre), às 10hs.

Trecho: “Só Nhanderu (Nosso pai) sabe o que fazer. Quando criou as árvores, criou tudo junto, porque é a raiz das árvores que segura a terra. Por isso não devemos destruir a floresta. Os jurua (não indígenas) estão desmatando muito a floresta, por isso, às vezes, acontecem desmoronamentos, porque a terra não tem como se segurar sozinha. É isso que os jurua não percebem e pensam que é só um fenômeno natural.” (Nhemombaraete Reko Rã’i: fortalecendo a sabedoria)

Créditos:

Desenhos e histórias: José Verá

Transcrição mbya guarani e tradução para português: Francisco Moreira Alves e Gerônimo Morinico Franco

Revisão mbya guarani: Romário Benites

Projeto gráfico e organização: Dani Eizirik, Iana Scopel Van Nouhuys, Kátia Zanini e Sérgio Guidoux

Apoio: Beatriz Gimenes e Ramon Brizoela

Fotografias: Sérgio Guidoux e acervo pessoal do autor

Realização: Aepim – Associação de Estudos e Projetos com Povos Indígenas e Minoritários

Edição: Riacho – @riacho.me / www.riacho


Isidoro B. Guggiana
Assessoria de Imprensa
T 55 51 9 9923 4383

Área de anexos

Comentários: