Brasília, 1 de julho de 2022 às 19:50
Selecione o Idioma:

Haiti

Postado em 22/01/2022 4:57

Investigação de magnicídio e crise política são destaques no Haiti

.

Porto Príncipe (Prensa Latina) Progresso e retrocesso na investigação do magnicídio no Haiti, e o agravamento da crise política com a nomeação de candidatos para o eventual governo interino se destacaram na semana durante a semana.

O período começou com a recusa do reitor do tribunal de primeira instância da capital, Bernard Saint Vil, de conceder uma prorrogação solicitada pelo juiz Gary Orélien, encarregado da investigação do assassinato do presidente Jovenel Moïse.

Saint Vil não explicou o motivo de sua desaprovação, em meio a acusações de corrupção feitas contra Orélien pela Rede Nacional de Defesa dos Direitos Humanos.

Um relatório dessa organização alegou na semana passada que o magistrado recebeu subornos dos supostos envolvidos no assassinato, embora o juiz tenha rejeitado as alegações e convocado o defensor dos direitos humanos Pierre Espérance a apresentar provas, mas ele se demitiu voluntariamente do caso pouco depois.

Ao mesmo tempo, as autoridades estadunidenses extraditaram para os EUA o empresário e traficante de drogas condenado Rodolphe Jaar, que foi denunciado pela polícia haitiana como parte do plano de assassinato.

Jaar admitiu que forneceu armas de fogo e munições aos colombianos para apoiar a operação de magnicídio, além de tentar ajudá-los a escondê-los em uma embaixada em Porto Príncipe.

A maioria dos 18 colombianos presos em conexão com o caso foram encontrados pela polícia na embaixada de Taiwan, não muito longe da residência particular do presidente assassinado.

Também nesta semana, o Conselho Nacional de Transição do Acordo de Montana recebeu indicações para Chefe de Estado e para o cargo de Primeiro Ministro, apesar da rejeição de Henry, que afirma que não há fórmulas legais ou constitucionais para a instalação de um presidente interino.

Pelo menos duas personalidades estão concorrendo para o cargo de presidente, enquanto outras cinco estão competindo para chefiar o governo.

Ontem, Henry reiterou que seu mandato não termina em 7 de fevereiro, e sublinhou seu compromisso com eleições livres e democráticas.

“O próximo inquilino do Palácio Nacional será um presidente livremente eleito por todo o povo haitiano”, disse o chefe de governo durante uma conferência internacional de ministros das relações exteriores organizada pelas autoridades canadenses.

Comentários: