Brasília, 2 de julho de 2022 às 02:55
Selecione o Idioma:

Estados Unidos

Postado em 14/02/2022 11:49

Imigrantes batem na porta da Casa Branca

.

Washington, 14 fev (Prensa Latina) O movimento de reforma da imigração nos Estados Unidos baterá às portas da Casa Branca esta manhã para lembrar ao Presidente Joe Biden que sua promessa eleitoral está definhando no Congresso.

Este dia, Dia dos Namorados ou Dia do Amor e Amizade, foi escolhido pelos ativistas para celebrar “Um Dia sem Imigrantes” em várias cidades dos EUA, culminando com um comício em frente à mansão presidencial às 10h00, horário local.

Durante o dia, milhares de empresas e restaurantes, assim como várias escolas, participarão do movimento em todo o país para pressionar o Congresso e a Biden pela reforma da imigração e proteção aos indocumentados.

Segundo os ativistas citados pelo jornal californiano La Opinión, a ação vem em um momento em que há um processo eleitoral em novembro e os políticos devem estar cientes de que a imigração é uma questão-chave.

Os organizadores do protesto, embora estejam em Washington, disseram que o protesto será em todo o país e será sentido em mais de 15 cidades do país, incluindo Washington, Nova York, Chicago, Houston, Dallas, São José, São Francisco, Los Angeles, Atlanta, Denver, Boston e Filadélfia.

O número de pessoas que participarão do comício de segunda-feira determinará os próximos passos do movimento, que pretende permanecer independente, mas colaborar com as organizações.

Nacionalmente, espera-se que a comunidade imigrante e seus aliados fiquem em casa depois do trabalho, fiquem em casa depois da escola e fiquem em casa depois de gastar dinheiro em um esforço para ter um impacto econômico e mostrar ao país a importância dos imigrantes”, disseram fontes do movimento.

De acordo com relatórios, a Associação dos Trabalhadores Agrícolas da Flórida realizará um comício em Orlando na segunda-feira para mostrar apoio e respeito pela comunidade imigrante e exigir que o governo aprove a reforma imigratória para os 11 milhões de imigrantes indocumentados na sombra.

Comentários: