Brasília, 11 de agosto de 2022 às 07:38
Selecione o Idioma:

Papo do Dia

Postado em 01/06/2022 4:54

ESTADOS UNIDOS E A CULTURA DAS ARMAS

.

Havana, 01 jun (Prensa Latina) O recente massacre em uma escola primária em Uvalde, Texas, onde 19 crianças e dois professores perderam a vida, destacou o impacto da cultura das armas nos Estados Unidos, onde tiroteios em massa mantêm a sociedade a meio mastro.

Por Deisy Francis Mexidor*

O autor , identificado como Salvador Ramos, comprou legalmente dois fuzis do tipo AR alguns dias antes do ataque, pouco depois de completar 18 anos. Ele não teve problemas para adquiri-los, já que o Texas também tem uma das leis mais frouxas do país para a posse de armas de fogo.

De acordo com a reconstituição dos acontecimentos, em 24 de maio, após um incidente com sua avó, que foi baleada no rosto, o ex-aluno da Escola Primária Robb invadiu a escola e se trancou em uma das salas de aula.

Antes de Uvalde e desde o início de 2022, foram registados cerca de 210 tiroteios em massa, dos quais cerca de 26 em instituições de ensino estadunidenses com um saldo de 46 vítimas entre mortos e feridos, revelou a organização noticiosa independente Education Week.

Por sua vez, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) observou que 45.222 pessoas morreram naquele país por ferimentos relacionados a armas de fogo em 2020, último ano para com dados completos disponíveis.

Os Estados Unidos têm condições sócio-históricas que moldaram uma cultura de veneração e posse de armas, segundo alguns especialistas, que acreditam ser esse um dos motivos que impedem sua regulamentação.

CAMINHO DIFÍCIL DE CONTROLE

Embora seja difícil calcular o número de armas de fogo em mãos privadas, estima-se que os Estados Unidos sejam a nação com o maior número de proprietários civis desses dispositivos.

Em 2018, as estatísticas mostravam que havia 120,5 armas para cada 100 habitantes, contra 88 para cada 100 em 2011.

Dados de estudos recentes revelaram que a compra de armas cresceu significativamente nos últimos anos. Uma investigação publicada na revista médica Annals of Internal Medicine indicou que 7,5 milhões de adultos estadunidenses – pouco menos de 3% da população – adquiriram uma arma de fogo pela primeira vez entre janeiro de 2019 e abril de 2021.

A organização Gun Violence Archive alertou que desde 2019 há mais tiroteios do que dias do ano nos Estados Unidos e quase 53 pessoas morrem todos os dias por uma arma de fogo.

No entanto, a oposição ao controle torna o caminho ainda mais íngreme no Congresso dos Estados Unidos.

O massacre em Uvalde desencadeou um coro de pedidos por leis mais duras sobre armas, o que se opõe à poderosa National Rifle Association (NRA), que há muito pressiona os legisladores do Partido Republicano a bloquear qualquer iniciativa no Capitólio.

O grupo de lobby realizou sua convenção anual em 27 de maio em Houston, Texas, a apenas 450 quilômetros da cena terrorista de Uvalde.

Wayne LaPierre , executivo-chefe da NRA, sustentou apenas que outro tiroteio em massa como o de Uvalde “não deve acontecer novamente” e manteve sua rejeição às propostas para regular as armas de fogo, chamando a posse de armas de fogo de “direito humano fundamental”.

Ficou claro para alguns observadores que os comentários de LaPierre continuam alinhados com a posição da associação de impedir qualquer tentativa de restrição, incluindo a expansão da verificação de antecedentes e a proibição de agressões consideradas.

“Restringir o direito humano fundamental dos americanos cumpridores da lei de se defender não é a resposta. Nunca foi”, disse ele.

Longe de pedir para eliminá-las, ele sugeriu mais segurança nas escolas, mudanças no sistema de justiça criminal e novos fundos para “consertar o sistema de saúde mental quebrado de nossa nação”, que são, em sua opinião, os fatores que impedirão futuros tiroteios nas escolas.

Enquanto isso, o ex- presidente Donald Trump (2017-2021) acusou os democratas de “politizar” o tiroteio na escola de Uvalde e considerou que “as políticas de controle de armas promovidas pela esquerda não teriam feito nada para impedir o horror que se deu. Absolutamente nada .”

Falando na reunião da NRA, o ex-presidente disse que a solução é colocar detectores de metal nas entradas das escolas e construir portões que possam ser trancados por dentro para impedir o “acesso de intrusos”.

Trump colocou toda a culpa na saúde mental do agressor, ignorando o papel das armas no tiroteio e defendeu a Segunda Emenda da Constituição, que consagra o direito dos americanos à posse de armas.

Após o recente tiroteio em uma escola no Texas, o presidente Joe Biden reiterou que o país deve ter leis de armas de “bom senso” que “não tenham impacto” na Segunda Emenda.

“A Segunda Emenda não é absoluta. Quando foi aprovada (em 1791), você não podia ter um canhão, não podia ter certos tipos de armas”, disse Biden um dia após o massacre.

NECESSIDADE DE COMPROMISSO LEGISLATIVO Um grupo bipartidário de senadores também começou a se reunir em um esforço para chegar a compromissos sobre uma eventual legislação. Chris Murphy (D-Connecticut), que está liderando essas conversas, twittou que “desta vez, o fracasso não pode ser uma opção”.

Pelo menos dois grandes projetos de controle de armas foram aprovados recentemente na primeira instância da Câmara dos Deputados, mas pararam no Senado por causa da oposição republicana.

Aliás, o lado vermelho veio propor como solução para casos como o de Uvalde, que os professores andem armados nas escolas. Isso foi afirmado pelo procurador-geral do Texas, Ken Paxton, em entrevista ao Newsmax.

“Não podemos impedir que pessoas más façam coisas ruins. Podemos armar e preparar e treinar professores e outros administradores para responder rapidamente. Essa é, na minha opinião, a melhor resposta”, enfatizou.

Enquanto isso, Biden admite que eles precisam mudar. “Quando, em nome de Deus, vamos enfrentar o lobby das armas? Quando, em nome de Deus, vamos fazer o que todos sabemos fazer?”, perguntou ele.

O ocupante do Salão Oval está consciente de que “nossos filhos não merecem isso”.

*Jornalista da Redação de América do Norte da Prensa Latina

Comentários: