Brasília, 29 de junho de 2022 às 16:44
Selecione o Idioma:

Brasil

Postado em 03/08/2016 7:20

Estadão faz jogo sujo de Eduardo Cunha

.

Por Carlos Eduardo, no blog Cafezinho:
Vamos aos fatos.
Ontem à noite, por volta de 22h, a Agência Brasilinformou que três testemunhas de acusação contra o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na Operação Lava Jato, foram ouvidas na Justiça Federal no Rio de Janeiro, em processo que corre no Supremo Tribunal Federal (STF).
As testemunhas da acusação eram os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró e o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano. Este último confirmou o pagamento de propina ao deputado, no valor de R$ 4 milhões a R$ 5 milhões.
Eis então que na manhã desta terça-feira (2) o Estadão nos traz a seguinte notícia:
Foto: Reprodução/ Estadão
De acordo com os repórteres Daiene Cardoso e Igor Gadelha, “prestes a ser julgado no plenário, o ex-presidente da Câmara e deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) prepara um levantamento aprofundado sobre como ajudou seus aliados nos últimos anos. O objetivo é consolidar o material para uma eventual delação premiada na Justiça. Segundo relatos de deputados, o peemedebista vem coletando informações sobre financiamento de campanhas eleitorais. Também produziu uma “pilha” de documentos com dados sobre distribuição de cargos e empréstimos”.Daí eu me pergunto: como os repórteres do Estadão sabem que Eduardo Cunha está preparando dossiês contra seus aliados políticos? Por acaso eles tem uma bola de cristal? A matéria se limita a dizer que obteve a informação em off, através do “relato de deputados”, mas essas notícias com fontes ocultas da grande imprensa não colam mais comigo.
Prefiro acreditar que foi o próprio Cunha quem repassou a informação ao jornal, que aceitou participar do seu jogo sujo, mandando um recadinho para os políticos em Brasília. Se for traído na votação da Câmara, Cunha adere à delação premiada e leva consigo metade do Congresso.
Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos.

Comentários: