Brasília, 20 de janeiro de 2022 às 16:27
Selecione o Idioma:

Brasil

Postado em 07/04/2016 11:01

Direita agora ataca ministros do Supremo

.

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:
Por certo já está se formando no Supremo Tribunal Federal entendimento de vários de seus membros no sentido de que essa Corte entrou na mira do consórcio fascista que reúne a mídia – Rede Globo à frente – e setores do Ministério Público, da Polícia Federal e do Judiciário – incluído, aí, o próprio STF.

Nas últimas semanas, dois ministros do STF sofreram forte bombardeio da mídia e dos grupos obscuros que promovem manifestações de rua exigindo dos Poderes Constituídos a defenestração do governo Dilma Rousseff e o encarceramento do ex-presidente Lula, tudo isso a qualquer preço e sob qualquer motivo.

Os ministros em questão: Teori Zavascki e Marco Aurélio Mello.

O primeiro, foi alvo de agressões em frente à sua residência e até de ameaças de violência física em redes sociais, tudo por ter tirado o processo de Lula das mãos do juiz Sergio Moro após este divulgar ilegalmente escutas ilegais envolvendo o ex-presidente e a atual presidente da República.

Moro chegou a pedir “desculpas” pela ilegalidade cometida, mas nem assim os fanáticos de ultradireita se convenceram do acerto da decisão de Zavascki.

A violência contra esse magistrado foi de tal ordem que este Blog se viu obrigado a promover um desagravo a ele que recebeu mensagens de adesão de cerca de 1.200 leitores, o que por certo contribuiu para que o ministro entenda que há, sim, muita gente que discorda do processo fascista que se abateu sobre o país.

Teori não se abalou. Nesta semana, rejeitou duas ações que pedem que Lula seja impedido de assumir a Casa Civil no governo Dilma. Por isso é importante manifestar apoio às autoridades que não se intimidam diante da pressão desses grupos organizados e financiados de forma obscura.

O segundo alvo dos fascistas e da mídia está sendo Marco Aurélio Mello por suas declarações contrárias à condução coercitiva de Lula para depor e, agora, por ter determinado que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, dê prosseguimento a representação que pede abertura de processo de impeachment também do vice-presidente da República, Michel Temer.

Logo após a decisão de Melo, começaram os ataques da mídia. O jornal da Globo abriu assim sua edição de terça-feira, na locução de Willian Waack:

“O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, chocou colegas do mundo jurídico e o Legislativo ao determinar que o presidente da Câmara dos Deputados abra um processo de impeachment contra o vice-presidente Michel Temer“

Assista ao vídeo [aqui].

Mello “chocou colegas do mundo jurídico”? Quais? E mesmo se houve algum desses “colegas” de Mello que discordaram dele, quantos são os que apoiaram sua decisão? E será que o mordomo de filme de terror da Globo não se refere a Gilmar Dantas, estafeta do PSDB no STF, ao aludir a “colegas chocados” de Mello?

Seja como for, pouco antes, inclusive antes da decisão envolvendo Cunha – agora defendido pela Globo, como se vê no vídeo acima -, Mello participou do programa Roda Viva e foi alvo de um verdadeiro bombardeio.

Uma das questões mais absurdas levantadas pelos entrevistadores foi feita por um jornalista do Valor Econômico e endossada por outro da revista Época. Eles quiseram saber de Mello o que ele pensava de comentário do ministro da Justiça, Eugênio Aragão, de que puniria membros da Polícia Federal que vazassem informações relativas a investigações sob segredo de Justiça.

Mello respondeu o óbvio, que o ministro tem razão porque um policial federal vazar informações sob segredo de Justiça é crime. Eis que os entrevistadores propõem uma questão ainda mais insólita que você pode conferir no vídeo desse trecho do programa, abaixo. Retomo o post em seguida [aqui].

Os desinformados jornalistas-pistoleiros perguntam, em suma, se Lula, na Casa Civil, não iria manietar a PF a fim conter as investigações da Lava Jato. Mello poderia ter respondido que se Lula não manietou a PF quando era presidente da República e esta fustigava seu partido e até a ele mesmo com o escândalo do mensalão, não seria agora que o petista faria isso.

Convenhamos: quem foi que dotou a PF, o Ministério Público e o próprio STF de liberdade total para investigar até o governo? Não foram os governos Lula e Dilma que fizeram isso? Ah, não foram, é? Não é isso o que diz o procurador da Lava Jato Carlos Fernando dos Santos Lima, que comandou a 24a fase da Operação, que conduziu Lula “sob vara” para depor e que tem sido um carrasco impiedoso do PT.

Confira abaixo, leitor, declaração dessa autoridade ao Estadão no sentido de que foi o PT que deu liberdade a órgãos de controle como a PF que governos anteriores não davam:

Do que é que esses dois panacas do Valor e da Época estão falando no vídeo acima, então? Se a própria Lava Jato diz que governos anteriores ao do PT impediam investigações e os governos do PT não impedem, que porcaria de teoria é essa que os pistoleiros do Valor e da Época apresentaram a Mello?

Há que destacar a coragem de Zavascki e de Mello. Zavascki, após ameaças e insultos dos fascistas, rejeitou ações que tentam impedir Lula de assumir a Casa Civil. Mello, que teve o impeachment pedido por um desses grupos fascistas por criticar Eduardo Cunha e ameaçá-lo com a lei, já respondeu, na lata, a esse grupo que não tem medo de tentativas de intimidação.

Porém, a ofensiva continua. O UOL publica reportagem em que leva a sério um pedido desse grupo fascista ao Senado para impedir Mello.

Veja trecho da matéria ameaçadora:

Seja como for, o fato é que esse assédio da mídia e dos movimentos fascistas contra ministros do STF pode vir a ser um tiro no pé. Estão despertando espírito de corpo naquela Corte. Em breve, só restarão Gilmar Dantas e Tóffoli fazendo o joguinho da mídia tucana. Este Blog crê que a maioria do STF está indignada com as tentativas da mídia de intimidar ministros.

Assim como o showzinho da Janaína, essa nova ideia “jenial” dos fascistas vai colocar o golpe ainda mais longe do alcance deles. Quem viver, verá.

Comentários: