Brasília, 27 de janeiro de 2022 às 22:54
Selecione o Idioma:

Argentina

Postado em 31/10/2021 10:58

Diego Maradona eterno

.

*Por Julio Ferrer

Buenos Aires (Prensa Latina) Diego Armando Maradona é um personagem fascinante no futebol, em termos humanos e políticos, motivos pelos quais será sempre retratado na literatura, cinema, teatro, pintura, música e outras disciplinas.

Também pela paixão e devoção que ele desperta não apenas na terra onde nasceu, a Argentina, mas também em milhões de pessoas ao redor do mundo.

Detalhes que fazem dele um mito ou um Deus que move crentes, ateus, agnósticos e pessoas de outros credos. Talvez o amor reverencial que eles sentem por ele seja porque sua essência e espírito vivem no sentimento popular.

Neste 30 de outubro marca o 61º aniversário de seu nascimento e eu gostaria de voltar ao livro que publiquei na mesma data, mas em 2020: D10S. Miradas sobre el mito Maradona (Ed. Octubre) com o prólogo de Fernando Signorini (seu histórico treinador físico pessoal com quem compartilharam a vida e o futebol em Barcelona, Napoli, diferentes clubes argentinos, Copas do Mundo e a seleção argentina).

O livro apresenta mais de 80 entrevistas com figuras que fizeram parte da vida esportiva e íntima de Maradona, de jornalistas como Víctor Hugo Morales, Guillermo Blanco, Ernesto Cherquis Bialo, Horacio Pagani, Adrian Paenza, Alejandro Dolina e o italiano Gianni Mina.

Assim como jogadores e líderes do futebol argentino como Claudio Paul Caniggia, Héctor Enrique, Miguel Brindisi, César Luis Menotti, Miguel Angel López ou estrangeiros como El Pibe Valderrama, Careca, Alemao, Gianfranco Zola, Bernard Schuster, Ottavio Bianchi e Rino Marchesi, ou autoridades de Direitos Humanos como Hebe de Bonafini e Estela de Carlotto, entre outros.

Todos eles deixaram um retrato de Maradona com algumas anedotas, além de destacar a beleza inigualável de seu futebol e seu calor humano.

Em novembro deste ano, outra obra de minha autoria, Maradona. Futebol e política (Ed. Punto de Encuentro) no qual descrevo, através dos protagonistas, diferentes histórias que envolveram o Diez com processos emancipatórios na América Latina e outras batalhas contra o poder e a ordem estabelecida imposta pelas classes dirigentes.

E me vem à mente neste momento, quando os ataques da máfia jornalística mundial, com alguns porta-vozes vis em Miami ou em Buenos Aires, contra Maradona, Fidel Castro e a Revolução Cubana estão mais uma vez se intensificando.

Sobre a estada de Diego em sua segunda pátria enquanto sentia Cuba e sua relação com Fidel Castro, pude obter diferentes testemunhos (os jornalistas Fausto Triana, José dos Santos, o atleta Javier Sotomayor e argentinos como Pablo Llonto, Víctor Ego Ducrot, Daniel Van Der Beken, Jorge Luengo, entre muitos outros).

Todos eles destacam como Diego se sentiu em casa na ilha e desfrutaram da amizade inabalável do líder histórico da Revolução, Fidel Castro.

A direita continental jamais perdoará que estes dois Spartacus da História Moderna tenham sido amigos e inimigos do poder que subjuga e destrói a condição humana. As operações de imprensa do inimigo nunca cessarão contra eles.

Voltando ao 61º aniversário de Diego Armando Maradona, o primeiro que não está mais aqui fisicamente, mas que passou para a imortalidade, mais uma vez agradeço por tudo e por ter sido um artista por excelência do futebol mundial.

Um guerreiro que se levantou de mil batalhas. Um sonhador indomável que conquistou façanhas esportivas épicas dando alegria infinita ao povo com seu pé esquerdo mágico e irrepetível.

mem/jdg/jfe/vmc

*Jornalista e escritor argentino, especial para a Prensa Latina.

Comentários: