Brasília, 25 de novembro de 2021 às 13:45
Selecione o Idioma:

Especiais

Postado em 25/10/2021 11:17

Da Rússia, com amor (talibã)

.

– Os detentores do poder na Ásia lançaram uma bomba em Moscou: “a reconstrução do Afeganistão deve ser paga pelos que o ocuparam militarmente durante 20 anos”.

Pepe Escobar [*]

Os que ocuparam militarmente o Afeganistão devem pagar a sua reconstrução.

Diante de grandes expectativas, um bando de cinco Talibãs finalmente atuou em Moscou. No entanto, como era previsível a estrela do show foi o Mick Jagger [NR] da geopolítica: o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov.

Desde o início, Lavrov  deu o tom para as consultas no formato de Moscou, o qual orgulha-se de “unir o Afeganistão com todos os países vizinhos”. Sem hesitar, ele se dirigiu ao elefante estado-unidense na sala – ou à falta dele: “Nossos colegas americanos optaram por não participar”, na verdade “pela segunda vez, evitando uma reunião em formato de troika estendida”.

Washington invocou nebulosas “razões logísticas” para a sua ausência.

A troika, que costumava se reunir em Doha, é constituída por Rússia, Estados Unidos, China e Paquistão. A troika estendida em Moscou esta semana contou com a participação da Rússia, China, Índia, Irã, Paquistão e todos os cinco ‘estões’ da Ásia Central. Isso, em essência, tornou-a uma reunião da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), ao mais alto nível.

A apresentação de Lavrov essencialmente expandiu os temas destacados pela recente Declaração SCO de Dushanbe: O Afeganistão deveria ser um “Estado independente, neutro, unido, democrático e pacífico, livre de terrorismo, guerra e drogas” e tendo um governo inclusivo “com representantes de todos grupos étnicos, religiosos e políticos”.

A declaração conjunta emitida após a reunião pode não ter sido exatamente um romance de suspense. Mas então, bem perto do fim, o parágrafo 9 apresenta a verdadeira bomba:

“A partes propuseram lançar uma iniciativa coletiva para convocar uma vasta conferência internacional de doadores sob os auspícios das Nações Unidas tão logo quanto possível, certamente com o entendimento de que o fardo central da reconstrução e desenvolvimento económico e financeiro do Afeganistão pós-conflito deveria ser apoiado pelos atores baseados em tropas que estiveram no país durante os últimos 20 anos”.

O Ocidente argumentará que uma espécie de conferência de doadores já aconteceu: foi a cimeira especial do G-20 por videoconferência no início de Outubro, a qual incluiu o secretário-geral da ONU, António Guterres. Assim, na semana passada, muito se falou de uma promessa europeia de 1000 bilhões de euros em ajuda humanitária, a qual, neste momento, permanece extremamente vaga, sem pormenores concretos.

No G-20, diplomatas europeus admitiram, a portas fechadas, que a principal divergência estava entre o Ocidente “querer dizer ao Talibã como governar seu país e como tratar as mulheres” como condições necessárias em troca de alguma ajuda, em comparação com a Rússia e a China que seguem suas orientações de política externa de não interferência.

Os vizinhos do Afeganistão, Irão e Paquistão, não foram convidados para o G-20, e isso é absurdo. É uma questão em aberto se o G-20 oficial em Roma, de 30 a 31 de outubro, também tratará do Afeganistão junto com os principais temas: mudança climática, Covid-19 e uma recuperação económica global ainda esquiva.

Nada de EUA na Ásia Central

Assim, o formato de Moscou, como Lavrov enfatizou devidamente, continua a ser o fórum quando se trata de abordar os sérios desafios do Afeganistão.

Agora chegamos ao ponto crítico. A noção de que a reconstrução económica e financeira do Afeganistão deveria ser conduzida principalmente pelo ex-ocupante imperial e seus apaniguados da OTAN – curiosamente referidos como “atores baseados em tropas” – é inoperante.

Os EUA não constroem nações – como todo o Sul Global sabe por experiência. Até mesmo para desbloquear os quase US$10 bilhões do Banco Central Afegão confiscados por Washington será um trabalho árduo. O FMI previu que, sem ajuda estrangeira, a economia afegã pode contrair-se 30%.

O Talibã, liderado pelo segundo primeiro-ministro Abdul Salam Hanafi , tentou fazer  uma cara corajosa. Hanafi argumentou que o atual governo provisório já é inclusivo: afinal, mais de 500 mil funcionários do antigo governo mantiveram seus empregos.

Mas, mais uma vez, muitos pormenores preciosos foram perdidos na tradução, e ao Talibã faltou uma figura destacada capaz de capturar a imaginação eurasiana. O mistério persiste: onde está Mullah Baradar?

Baradar, que liderou o escritório político em Doha, era amplamente considerado como o rosto do Talibã para o mundo exterior após a tomada de Cabul pelo grupo em 15 de agosto. Ele foi efetivamente posto de lado.

Contudo, o pano de fundo para o formato Moscou apresenta algumas pepitas. Não houve fugas de informação – mas diplomatas deram a entender que o clima era tenso. A Rússia teve que atuar como um mediador cuidadoso, especialmente quando se tratava de lidar com as queixas da Índia e as preocupações do Tajiquistão.

Todos sabiam que a Rússia – e todos os outros atores – não reconheceriam o Talibã como o novo governo afegão, pelo menos não ainda. Esta não é a questão. A prioridade mais uma vez teve que ser enfatizada sobre a liderança do Talibã: nenhum refúgio seguro para quaisquer grupos jihadistas que possam atacar “terceiros países, especialmente os vizinhos”, como enfatizou Lavrov.

Quando o presidente Putin casualmente deixa cair a informação, oficialmente, de que há pelo menos 2.000 jihadistas ISIS-K no norte do Afeganistão, isso significa que a inteligência russa sabe exatamente onde eles estão e tem a capacidade de exterminá-los, caso o Talibã emita sinal de que precisa de ajuda.

Agora compare isso com a NATO – recém-saída da sua maciça humilhação no Afeganistão – a realizar uma cimeira de ministros da Defesa em Bruxelas nesta quinta e sexta-feira para basicamente dar lições ao Talibã. O secretário-geral da NATO, o espetacularmente medíocre Jens Stoltenberg, insiste em que “o Talibã é responsável perante a NATO” por abordar o terrorismo e os direitos humanos.

Como se isso não fosse inconsequente o suficiente, o que realmente importa – como pano de fundo para o formato de Moscou – é como os russos recusaram categoricamente um pedido dos EUA para implantar seu aparato de inteligência em algum lugar da Ásia Central, em teoria para monitorar o Afeganistão.

Primeiro, eles queriam uma base militar “temporária” no Usbequistão ou no Tajiquistão: Putin-Biden realmente discutiram isso na cimeira de Genebra. Putin contra-ofereceu, meio de brincadeira, hospedar os americanos em uma base russa, provavelmente no Tajiquistão. Moscou brincou alegremente por algumas semanas apenas para chegar a uma conclusão inabalável: não há lugar para qualquer travessura de “contra-terrorismo” dos Estados Unidos na Ásia Central.

Para resumir tudo, Lavrov em Moscou foi extremamente conciliador. Ele enfatizou como os participantes do formato Moscou planeiam usar todas as oportunidades para “incluir” o Talibã por meio de vários órgãos multilaterais, como a ONU, a SCO – onde o Afeganistão é uma nação observadora – e, crucialmente, a Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), que é uma aliança militar.

Muitas camadas de ‘inclusão’ acenam. A ajuda humanitária das nações SCO, como Paquistão, Rússia e China, está a caminho. A última coisa de que o Talibã precisa é ser “responsável” perante uma OTAN em morte cerebral.

[NR] Cantor de rock, https://pt.wikipedia.org/wiki/Mick_Jagger

[*] Jornalista, correspondente do Asia Times, colabora no Consortium News e na Strategic Culture Foundation, membro da European Academy of Geopolitics.

O original encontra-se em https://thecradle.co/Article/columns/2754

Este artigo encontra-se em resistir.info

Comentários: