Brasília, 14 de outubro de 2021 às 23:24
Selecione o Idioma:

Sem Titulo

Postado em 09/11/2015 12:28

Chanceleres russo e ucraniano dialogam em Berlim sobre paz na Ucrânia

.

 

Berlim, 6 nov (Prensa Latina) Os ministros das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov; e da Ucrânia, Pavlo Klimkin, analisaram hoje as perspectivas de paz na região do Donbass, em específico, a realização de eleições.

Com mediação de seus colegas da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier; e da França, Laurent Fabius, no chamado formato da Normandia, os chefes da diplomacia russa e ucraniana avaliaram nesta capital o avanço e aplicação de acordos pactuados em Minsk.

Steinmeier considerou positivo o fato de um respeito, de maneira geral e pelas partes enfrentadas, de uma trégua posta em vigor de fato desde 1 de setembro nas regiões de Donetsk e Lugansk, que proclamaram sua independência em março do ano passado.

No entanto, o responsável alemão considerou que isso está longe de ser suficiente e defendeu uma solução de acordo mútuo para serem realizadas eleições regionais nas repúblicas citadas, na zona hulheira do Donbass.

Mas Moscou denuncia que Kiev, onde se instalou um governo ultraconservador, depois de um golpe de Estado em fevereiro de 2014, se nega a reconhecer as autoridades dos autoproclamados governos no sudeste ucraniano. Mais de seis mil pessoas morreram desde que em abril do ano passado o exército e a Guarda Nacional, integrada quase em sua totalidade por neofascistas, iniciaram operações de castigo contra a população insurreta no Donbass, oposta ao executivo golpista.

Para o chefe da diplomacia alemã, Moscou interferiu no cancelamento de eleições que qualificou de unilaterais, em referência às planejadas pelas autoridades de Donetsk e Lugansk.

Steinmeier considerou possível realizar eleições em 2016 no sudeste ucraniano, contrário ao que foi declarado recentemente pelo Klimkin, quem solicitou uma solução ao assunto neste mesmo ano.

A reunião nesta capital também deve abordar o fornecimento da ajuda humanitária à população afetada pelo conflito e problemas de infraestrutura, como o funcionamento de motoristas de água no Donbass.

Comentários: