Brasília, 19 de janeiro de 2022 às 07:15
Selecione o Idioma:

Uruguai

Postado em 30/10/2021 8:07

Central sindical uruguaia denuncia a falta de diálogo sobre reforma

.

Montevidéu (Prensa Latina) A central sindical uruguaia Pit-Cnt criticou hoje a falta de diálogo social de natureza política para a futura reforma da previdência social, em detrimento dos trabalhadores.

Seu representante na Comissão de Peritos (CESS) criada pelo governo em 2020, o economista Hugo Bai, disse que o trabalho foi interrompido em julho e os nove delegados pró-governo começaram a trabalhar sozinhos em recomendações para um parecer a ser apresentado ao Executivo do país.

Com relação ao pedido de um pacto previdenciário, ele criticou o fato de que eles só falam de pensões e aposentadorias, e ‘temos que falar de toda a matriz de proteção social, infância precoce, deficiência, sistema de cuidados; áreas em que o país, apesar dos progressos alcançados, tem um déficit’.

Com relação à sustentabilidade do sistema previdenciário, ele argumentou que não é necessário olhar apenas para as despesas, mas também para a renda e o financiamento daqueles que estão em condições de contribuir mais em um esquema redistributivo baseado na solidariedade.

‘Os altos ganhos e a concentração da riqueza têm que ser elementos quando se discute como vamos afetar certos benefícios e direitos’, enfatizou ele.

Em uma entrevista ao portal Caras y Caretas, Bai expressou a opinião do sindicato sobre um imposto de 20% sobre as pensões mais altas, incluindo as pensões militares quando elas chegam a cerca de três mil dólares.

Ele reiterou uma visão contrária ao aumento da idade de aposentadoria sem levar em conta o enorme número de pessoas que não podem estender seu tempo de trabalho além dos 60 anos de idade, tais como trabalhadores da construção civil, empregados domésticos, trabalhadores rurais, entre outros.

Finalmente, ele criticou o fato de a discussão estar ocorrendo contra o relógio porque o prazo legal é 31 de outubro e ele só recebeu o documento de 100 páginas há pouco tempo, o que dificulta um diálogo coletivo e a realização de mudanças reais.

Comentários: