Brasília, 29 de junho de 2022 às 15:29
Selecione o Idioma:

República Dominicana

Postado em 08/12/2019 6:48

Campanhas da mídia afetaram o turismo dominicano em 2019

.

Por Edilberto F. Méndez * Santo Domingo, (Prensa Latina) As campanhas na mídia realizadas contra a chamada indústria sem chaminés na República Dominicana após a morte de turistas americanos no país afetaram o desenvolvimento normal desse setor em 2019.

Listado pelo ministro do Turismo, Francisco García, como um ‘ruído irreal da mídia’, destacou-se fortemente para divulgar que havia mortes misteriosas nesse território, ele deixou sua marca e teve consequências.

Embora as autoridades do país insistissem na divulgação de dados para ratificar que a República Dominicana era um destino turístico seguro para os visitantes, era muito difícil restaurar os danos e ainda existem.

De acordo com o Banco Central da República Dominicana, durante o primeiro semestre de 2019, o país recebeu quatro mil e 85 milhões de dólares, valor 3,2% superior ao do primeiro semestre de 2018, porém menor em cinco por cento do que foi obtido no mesmo período do ano passado, em comparação com 2017.

O declínio, de acordo com economistas dominicanos, é atribuído à campanha acima mencionada porque era um setor que vinha crescendo de cinco a 11% de um ano para o outro.

Além disso, de janeiro a junho deste ano, o dinamismo na chegada de turistas diminuiu até a contratação em julho, com uma taxa negativa de -0,5%, o que significou uma redução naquele mês de chegada de estrangeiros não residentes (turistas, a rigor) em 90 mil 573 pessoas.

No entanto, mesmo os números reais não foram divulgados e, de acordo com a Associação Nacional de Hotéis e Restaurantes (Asonahores), o setor não quantificou o custo econômico que o país causou nas reclamações.

No entanto, no auge de outubro passado, a chegada cumulativa de visitantes não residentes rendeu um total de cinco milhões de 359 mil 903 viajantes, uma variação de -1,2% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Porcentagem equivalente a uma diminuição de 64.496 turistas, embora no caso dos dominicanos não residentes tenha havido um crescimento ano a ano de 15,2% (113 mil 215 viajantes adicionais), uma questão que compensou parcialmente a 3,8 redução registrada na chegada de estrangeiros não residentes,

No caso particular da chegada de passageiros não residentes, em outubro, observou-se que eram 372 mil visitantes, o que significou uma redução de 42.777 passageiros (-10,3%) em relação ao mesmo mês do ano de 2018.

Até agora, 4,6 milhões de turistas chegaram à República Dominicana e 2019 deve fechar mais de 6,5 milhões, disse o vice-ministro de Turismo da Zona Norte, Julio Almonte.

A chegada de turistas em 2018 foi de seis milhões 568 mil 888, um valor ‘histórico’, que não será excedido como esperado.

O turismo na República Dominicana carregou uma espiral de crescimento e as estatísticas confirmam.

A partir da promulgação da Lei 153, de 4 de junho de 1971, iniciou-se no país um processo de promoção e incentivo ao desenvolvimento do turismo, com forte dinamismo nos últimos 40 anos, sendo que em 1980 houve cinco 394 quartos e hoje estão perto de 80 mil.

O fato de este ano não exceder a cifra é um alerta às autoridades de turismo para que tomem todas as medidas necessárias para evitar situações específicas que afetam a imagem dessa indústria sensível como poucas às flutuações deste mundo.

Na verdade, este país, como disse Garcia, é seguro e tudo o que foi tratado com a morte de visitantes dos Estados Unidos foi algo que pode acontecer em qualquer país.

Somente nos últimos cinco anos, mais de 30 milhões de visitantes foram recebidos neste território e, do total, 99% mostraram satisfação e 94 disseram que voltaram.

Sem dúvida, uma campanha contra o turismo dominicano foi montada e a partir desse momento foi feita lenha da árvore caída.

De acordo com a imprensa, o Departamento de Estado dos EUA publicou no ano passado as estatísticas de mortes de turistas em pelo menos 16 países em todo o mundo e a República Dominicana está classificada em 16, com 10 mortos, enquanto, por exemplo, o México marcha na ponta com 196, os números são eloquentes.

Por fim, diante da situação criada, o presidente dominicano, Danilo Medina, criou o Comitê Nacional de Segurança do Turismo, que visa erradicar as ameaças contra esse setor, a principal fonte de câmbio do país.

O Comitê tem como objetivo elaborar políticas, estratégias e programas para a prevenção, detecção, perseguição e erradicação de ameaças que ameacem a segurança da indústria do turismo na República Dominicana.

Será responsável por coordenar as atividades de segurança integrante do setor nacional de turismo, através da adoção de medidas de coordenação e integração para o desempenho efetivo das autoridades civis, militares e policiais, bem como de outras agências de segurança do estado e do setor privado.

Essa medida visa evitar outra situação, como este ano, e continuar em direção à meta estabelecida pelo governo de receber 10 milhões de turistas por ano.

No entanto, para ser justo e exato, o país deve trabalhar para alcançar o status de país seguro, que é um eufemismo no momento.

Uma coisa é dizer que as instalações turísticas estão protegidas e as autoridades tomam medidas nos locais de acesso dos visitantes e outra que o crime brilha por sua ausência.

Embora a campanha tenha sido injusta, ela deve ser usada para se dedicar a um trabalho árduo por uma nação que, juntamente com suas belezas naturais e a simpatia de seus habitantes, poderia ter segurança real, tarefa que não é fácil nesta sociedade.

* Correspondente na República Dominicana

Comentários: