Brasília, 24 de outubro de 2021 às 19:47
Selecione o Idioma:

Papo do Dia

Postado em 15/07/2021 10:22

A TENTATIVA DE REVOLUÇÃO COLORIDA EM CUBA

.

O implacável bloqueio imperialista a Cuba – econômico, financeiro, diplomático, militar, político, energético, empresarial e tecnológico – perdura há 60 anos.  Em certas ocasiões intensifica-se com atentados, terrorismo, sabotagem.  Em outras adquire formas mais subtis, utilizando a guerra híbrida e a “arte das sanções” desenvolvida pela NED (uma das 17 agências de inteligência dos EUA).

Domingo, 11 de Julho, houve manifestações de descontentamento na ilha.  Elas foram cuidadosamente articuladas pela sra. Rosa Maria Payá, que é dona de uma ONG com sede em Miami financiada pelo governo estado-unidense.  Trata-se da Fundación para la Democracia Panamericana ( FDP ) que organizou, pagou e preparou o material gráfico (o cartaz “Cuba decide”) presente em todas as manifestações do dia 11.  A FDP quiz aproveitar pico da pandemia (que em Cuba foi posterior ao de outros países) a fim de avançar a sua agenda.  A berraria da mídia neoliberais procurou agigantar estas manifestações encenadas.  Convém por isso estabelecer as suas verdadeiras proporções: elas foram em apenas 12 lugares de Cuba, com não mais 100 a 500 pessoas em cada um deles.

A experiência histórica das revoluções coloridas promovidas pelo império mostra que elas só tiveram êxito onde os governos locais não tinham apoio popular.  Não é o caso de Cuba, onde houve de imediato grandiosas contra-manifestações de rua em apoio ao governo e à Revolução.  Dito isto, há que reconhecer que existem motivos reais de insatisfação para o povo cubano – quase todos devidos ao bloqueio imperial.  Há penúria energética com cortes no abastecimento eléctrico; há desabastecimento de bens essenciais (alimentos e remédios); há o pico da pandemia que ainda não foi ultrapassado.  Mas são os mesmos que procuram estrangular o povo cubano mediante sanções e bloqueio que agora denunciam as dificuldades que eles próprios provocaram e provocam.  O imperialismo quer uma “haitização” de Cuba, quer destruir o mau exemplo de um país soberano, um país que em plena pandemia soube criar vacinas como a Soberana e a Abdala (para vergonha de outros países do mundo, não sujeitos a bloqueio, que não tiveram capacidade para isso).  O povo e o governo cubanos saberão dar a resposta que merecem. (Resistir)

Comentários: