Brasília, 26 de outubro de 2021 às 22:34
Selecione o Idioma:

Especiais

Postado em 31/08/2021 9:58

A destruição e reconstrução da Coreia do Norte, 1950-1960

.

Charles K. Armstrong [*]


A Força Aérea dos EUA estimou que a destruição da Coreia do Norte foi proporcionalmente maior do que a do Japão, na Segunda Guerra Mundial, onde os EUA transformaram as maiores 64 cidades em escombros e usaram a bomba atómica para destruir outras duas. Os aviões americanos lançaram 635.000 toneladas de bombas na Coreia – isto é, essencialmente, na Coreia do Norte – incluindo 32.557 toneladas de napalm, em comparação com 503.000 toneladas de bombas lançadas em todo o teatro do Pacífico, na Segunda Guerra Mundial.

 

A guerra aérea americana e a destruição da Coreia do Norte

A Guerra da Coreia, uma “guerra limitada” para as forças dos EUA e da ONU, foi para os coreanos uma guerra total. Os recursos humanos e materiais da Coreia do Norte e do Sul foram usados ​​ao máximo. A destruição física e a perda de vidas em ambos os lados foi quase além da compreensão, mas o Norte sofreu os maiores danos, devido aos bombardeamentos de saturação americanos e à política de terra queimada das forças da ONU em retirada [1] . A Força Aérea dos EUA estimou que a destruição da Coreia do Norte foi proporcionalmente maior do que a do Japão, na Segunda Guerra Mundial, onde os EUA transformaram as maiores 64 cidades em escombros e usaram a bomba atómica para destruir outras duas. Os aviões americanos lançaram 635.000 toneladas de bombas na Coreia – isto é, essencialmente na Coreia do Norte – incluindo 32.557 toneladas de napalm, em comparação com 503.000 toneladas de bombas lançadas em todo o teatro do Pacífico, na Segunda Guerra Mundial [2] . O número de coreanos mortos, feridos ou desaparecidos no final da guerra aproximou-se de três milhões, dez por cento da população geral. A maioria desses mortos estava no Norte, que tinha metade da população do Sul; embora a RPDC [República Popular Democrática da Coreia] não tenha números oficiais, possivelmente 12 a 15% da população foi morta na guerra, um número próximo ou a ultrapassar a proporção de cidadãos soviéticos mortos na Segunda Guerra Mundial [3]

O ato que, de longe, causou a maior perda de vidas civis na Guerra da Coreia, e que os norte-coreanos afirmaram ter sido o maior crime de guerra da América, foi o bombardeamento aéreo de centros populacionais norte-coreanos. O controle americano dos céus da Coreia era avassalador. Os MIG soviéticos, pilotados por pilotos soviéticos, chineses e norte-coreanos, eram às vezes eficazes contra o poder aéreo americano. Mas, sob as ordens de Stalin, os caças soviéticos eram estritamente limitados em número e no alcance a que podiam voar, para que as batalhas aéreas soviéticas não levassem a uma guerra mais ampla [4]. E, em qualquer caso, o apoio aéreo soviético não existiu até ao final de 1950. Durante o verão e o outono, as defesas aéreas norte-coreanas eram virtualmente inexistentes. Unidades de autodefesa locais na ocupada Coreia do Sul, levemente armadas,  só podiam assistir e sofrer enquanto as suas cidades e vilas eram destruídas do ar [5] No final da guerra, a Coreia do Norte afirmou que apenas dois edifícios modernos permaneceram de pé em Pyongyang.

Para os americanos, o bombardeamento estratégico faz todo o sentido, dando vantagem às proezas tecnológicas americanas contra a superioridade numérica do inimigo. O comando americano rejeitou as preocupações britânicas de que o bombardeamento massivo viraria a opinião mundial contra eles, insistindo que os ataques aéreos eram precisos e as baixas civis limitadas [6]. As acusações russas de ataques indiscriminados a alvos civis não foram tidas em conta pelos americanos. Mas, para os norte-coreanos, vivendo com medo dos ataques dos B-29 há quase três anos, com a possibilidade de lançamento bombas atómicas, a guerra aérea americana deixou uma impressão profunda e duradoura. O governo da RPDC nunca esqueceu a lição da vulnerabilidade da Coreia do Norte aos ataques aéreos americanos e, durante o meio século após o Armistício, continuou a fortalecer as defesas antiaéreas, a construir instalações subterrâneas e, certamente, a desenvolver armas nucleares, para garantir que a Coreia do Norte não se encontrasse de novo em tal posição.  O efeito psicológico de longo prazo da guerra em toda a sociedade norte-coreana não pode ser superestimado, mas a guerra contra os Estados Unidos, mais do que qualquer outro fator isolado, deu aos norte-coreanos um sentimento coletivo de ansiedade e medo de ameaças externas, que continuariam por muito tempo após o fim da guerra.

As consideráveis ​​realizações económicas da Coreia do Norte desde a libertação foram quase completamente aniquiladas pela guerra. Em 1949, após dois anos de economia planificada, a Coreia do Norte tinha recuperado do caos pós-libertação e a produção económica tinha atingido o nível do período colonial [7].  Os planos para 1950 eram os de aumentar a produção no Norte novamente em um terço, e a liderança da RPDC esperava mais ganhos económicos a seguir à integração com a agricultura mais produtiva do Sul, após a unificação. De acordo com os números da RPDC, a guerra destruiu cerca de 8.700 fábricas, 5.000 escolas, 1.000 hospitais e 600.000 residências [8]. A maior parte da destruição ocorreu em 1950 e 1951.

Para escapar ao bombardeamento, fábricas inteiras foram deslocadas para o subsolo, junto com escolas, hospitais, repartições governamentais e grande parte da população. A agricultura foi devastada e a fome pairou. Os camponeses escondiam-se no subsolo durante o dia e saíam à noite para trabalhar na agricultura. A destruição do gado, a escassez de sementes, ferramentas agrícolas e fertilizantes e a perda de mão de obra reduziram a produção agrícola ao nível da subsistência, na melhor das hipóteses. O   jornal Nodong Sinmun referiu-se a 1951 como “o ano de provações insuportáveis”, uma frase revivida nos anos de fome da década de 1990 [9] . Mas o pior ainda estava para vir. Pelo outono de 1952, não havia mais alvos eficazes para os aviões dos EUA atingirem. Todas as povoações, cidades e áreas industriais significativas da Coreia do Norte já haviam sido bombardeadas. Na primavera de 1953, a Força Aérea alvejou barragens de irrigação no rio Yalu, para destruir a safra de arroz da Coreia do Norte e para pressionar os chineses, que teriam de fornecer mais ajuda alimentar ao Norte. Cinco reservatórios foram atingidos, inundando milhares de hectares de terras agrícolas, inundando cidades inteiras e destruindo a fonte de alimentos essenciais para milhões de norte-coreanos [10] .  Só a assistência de emergência da China, da URSS e de outros países socialistas evitou a fome generalizada.

A reconstrução da Coreia do Norte como um “Projeto Fraternal Socialista

Quando a luta parou, no verão de 1953, toda a península coreana estava em ruínas. Ao sul da DMZ [zona desmilitarizada], os Estados Unidos e os seus aliados lideraram um esforço ambicioso e bem financiado para reabilitar a Coreia do Sul sob os auspícios da Agência das Nações Unidas para a Reconstrução da Coreia (UNKRA) [11] A Coreia do Norte, além de mais devastada do que o Sul e sofrendo também com a escassez de mão de obra causada pela hemorragia populacional da guerra, tinha muito menos recursos para se reconstruir. No entanto, através de uma combinação de tremendo trabalho e sacrifício por parte do povo norte-coreano, da generosa assistência económica e técnica dos “fraternos” países socialistas e da vantagem de uma infraestrutura industrial anterior à guerra, mais desenvolvida do que a da Coreia do Sul, a RPDC depressa alcançou taxas de crescimento económico que ultrapassaram em muito as da Coreia do Sul, na década de 1970. No final da década de 1950, a taxa de crescimento da produção industrial total da Coreia do Norte (média de 39% entre 1953 e 1960) foi provavelmente a mais elevada do mundo [12]

A Coreia do Norte foi virtualmente destruída como sociedade industrial, e a primeira prioridade da liderança da RPDC foi reconstruir a indústria. Poucos dias após o armistício, Kim Il Sung enviou um relatório à embaixada soviética em Pyongyang, detalhando a extensão dos danos da guerra e a necessidade de ajuda soviética para reabilitar a economia industrial da Coreia do Norte. A ajuda “fraterna” à RPDC começou durante a Guerra da Coreia.  É claro que a maior parte da assistência militar direta veio da URSS e da China, mas as “Democracias Populares” do Leste Europeu também contribuíram para o esforço de guerra, com apoio logístico, assistência técnica, suprimentos médicos e outros. Uma das mais pungentes formas de assistência foi o acolhimento de milhares de órfãos da guerra da Coreia. Só a Roménia abrigou cerca de 1.500 dessas crianças, que regressaram à RPDC com a conclusão do Plano Quinquenal de 1957-1961 da Coreia do Norte. O primeiro grupo de 205 crianças coreanas foi enviado para a RDA em janeiro de 1953. Essas e centenas de outras também regressaram à Coreia do Norte vários anos depois.

Kim Il Sung liderou uma delegação a Moscovo, em setembro de 1953, principalmente para acertar os termos da ajuda soviética. O governo soviético concordou em cancelar ou adiar o pagamento de todas as dívidas pendentes da Coreia do Norte e reiterou a sua promessa de dar à RPDC um bilião de rublos em ajuda direta, monetária e na forma de equipamento industrial e bens de consumo. Técnicos soviéticos foram enviados para a Coreia do Norte para ajudar no esforço de reabilitação. A maior parte da reconstrução de fábricas na Coreia do Norte pós-guerra foi supervisionada por especialistas soviéticos. Pyongyang também recebeu promessas de ajuda de países do Leste Europeu e da República Popular da Mongólia, esta última prometendo enviar à Coreia do Norte cerca de 86.500 cabeças de gado. O terceiro maior contribuinte com ajuda externa depois da União Soviética e da China foi a Alemanha Oriental, que desempenhou um importante papel na reconstrução de Hamhŭng, a segunda maior cidade da Coreia do Norte e um importante centro industrial.

Kim visitou Pequim em novembro e recebeu promessas igualmente generosas da RPC, refletindo em parte o interesse do governo chinês em competir com a URSS pela influência na Coreia do Norte. A China cancelou as dívidas da Coreia do Norte com a Guerra da Coreia e ofereceu à RPDC 800 milhões de yuans em ajuda para o período de 1954 a 1957, dos quais 300 milhões viriam no primeiro ano. A Coreia do Norte e a China também assinaram um acordo de cooperação económica e cultural semelhante ao assinado entre a RPDC e a URSS, em março de 1949. A China ajudou a Coreia do Norte na reconstrução de fábricas, embora não na escala em que a URSS o fez, e tornou-se uma importante fonte de bens de consumo norte-coreanos, incluindo têxteis, algodão e alimentos. Especialistas técnicos chineses foram para a Coreia do Norte e os coreanos viajaram para a China para treino técnico. Mas talvez a contribuição mais importante que a China deu para a reconstrução da Coreia do Norte, além de ajuda monetária e cancelamento de dívidas, foi a mão de obra fornecida pelas tropas de Voluntários do Povo Chinês (CPV) que permaneceram na Coreia do Norte até 1958. Essas tropas, que contavam milhares de soldados, ajudaram a consertar estradas e ferrovias danificadas pela guerra e a reconstruir escolas, pontes, túneis e represas de irrigação. Na Coreia do Norte, com escassez de mão de obra, a assistência física dos Voluntários do Povo Chinês foi inestimável para a reabilitação da infraestrutura danificada pela guerra.

O período de reconstrução pós-guerra na Coreia do Norte foi a primeira e única vez em que a União Soviética, a China e os países alinhados com a União Soviética da Europa Oriental e da Mongólia cooperaram num projeto económico de grande escala dessa natureza. Foi o auge histórico da “solidariedade socialista internacional”, que nunca mais se repetiria depois de a URSS e a China se terem separado, no início dos anos 1960. Considerando que a União Soviética ainda estava a reconstruir-se após a devastação da Segunda Guerra Mundial, que a China tinha concluído recentemente a sua guerra civil e que a Alemanha Oriental (a terceira maior fonte de ajuda) também estava a reconstruir-se da guerra, a escala da ajuda para a Coreia do Norte é notável. Fontes soviéticas contemporâneas fazem uma análise da assistência estrangeira à RPDC, entre 1953 e 1960, dividida aproximadamente em três partes, sem dúvida uma divisão do trabalho sugerida por Moscovo. Exatamente um terço (33,3%) da ajuda à reconstrução veio da URSS, 29,4% da China e 37,3% de outros países. Os dados monetários não consideram a ajuda em trabalho, que foi particularmente importante do lado chinês.

Ajuda
Contribuições de nações fraternais
(milhões de rublos)

URSS 292,5
China 258,4
RDA 122,7
Polónia 81,9
Checoslováquia 61,0
Roménia 22
Hungria 21
Bulgária 18,7
Albânia 0,6
Mongólia 0,4
Vietname do Norte 0,1
Total 879,3

SSSR i Koreia  (Moscovo: URSS Academia das Ciências, 1988), p.256

A Coreia do Norte dependia da assistência fraterna para mais de 80% das suas necessidades de reconstrução industrial entre 1954 e 1956, o período do Plano de Três Anos.

O país não poderia ter reconstruído a sua economia tão rapidamente como o fez sem esse influxo maciço de ajuda em quase todos os setores da produção e consumo. Mas a RPDC não ficou dependente da ajuda por muito tempo. Em parte, foi por necessidade, já que a ajuda do bloco socialista foi planeada desde o início para ir sendo atenuada à medida que a reconstrução fosse concluída. No entanto, é notável a rapidez com que a dependência da ajuda da Coreia do Norte caiu – a declaração de “autossuficiência” da Coreia do Norte, no final da década de 1950, tinha razão de ser. Em 1954, 33,4% da receita do Estado da Coreia do Norte veio da ajuda externa; em 1960, a proporção caiu para apenas 2,6%. Em contraste, bem mais de metade da receita do governo da Coreia do Sul veio de assistência externa em 1956. No início dos anos 1960, bem antes da descolagem industrial da Coreia do Sul, o Norte tinha-se reindustrializado de forma impressionante. Essa diferença não pode ser explicada apenas pela ajuda externa, que foi muito maior em termos absolutos na Coreia do Sul do que no Norte. A capacidade do regime de mobilizar a população norte-coreana também foi indispensável para o sucesso deste projeto. Como disse Kim Il Sung, a reconstrução económica exigiria todo o trabalho e recursos que o povo norte-coreano pudesse congregar.

Reconstrução urbana em Pyongyang e Hamhŭng

Na reconstrução de Pyongyang, como na economia norte-coreana em geral, a assistência fraterna foi maciça, diversa e crucial. Na época, essa ajuda foi calorosa e amplamente reconhecida na mídia da RPDC. Depois da década de 1960, quando a autossuficiência se tornou o slogan dominante e a lente através da qual todas as experiências norte-coreanas anteriores foram filtradas, o papel dos estrangeiros na reconstrução do pós-guerra raramente foi mencionado se é que chegou a sê-lo. Em termos gerais, a China contribuiu principalmente com mão-de-obra e bens de consumo ligeiros, os soviéticos e os alemães orientais forneceram assistência técnica e supervisão e os outros países da Europa Oriental forneceram equipamentos e assistência técnica para indústrias específicas. Kim Il Sung agradeceu publicamente aos Voluntários do Povo Chinês, que lutaram “ombro a ombro” com o Exército do Povo Coreano, pelo seu papel continuado no esforço de reconstrução do pós-guerra. Soldados do VPC ajudaram a reconstruir pontes, escolas primárias, fábricas e apartamentos. Em fevereiro de 1955, por exemplo, a 47.ª Brigada dos VPC reconstruiu a Fábrica de comboios elétricos de Pyongyang. Um grupo de mais de 770 especialistas em construção chineses ficou em Pyongyang, entre novembro de 1954 até o final de 1956 para ajudar a supervisionar a reconstrução. A Albânia doou asfalto para pavimentação de estradas, a Checoslováquia deu autocarros, a Hungria construiu uma fábrica de ferramentas de precisão, a Alemanha Oriental deu telefones e centrais telefónicas para os serviços de comunicação da cidade e modernizou o Centro Nacional de Produção de Filmes. A Polónia construiu a Fábrica da Ferrovia de Pyongyang Oeste, a Bulgária construiu uma fábrica de ferramentas de madeira, a Roménia construiu o Hospital Central de Pyongyang e a URSS, a Checoslováquia, China e Alemanha Oriental contribuíram com motores e vagões de carga e de passageiros para desenvolver a indústria ferroviária da Coreia do Norte. Durante o período do Plano de três anos, muitos líderes do Leste Europeu visitaram Pyongyang, onde receberam calorosamente os agradecimentos pelas contribuições dos seus países para a reconstrução do pós-guerra, incluindo Otto Grotewohl da RDA, Enver Hoxha da Albânia e Gheorghiu-Dej da Roménia.

Perante o avanço chinês no final de novembro e dezembro de 1950, o Corpo X do Exército dos EUA retirou-se em direção à área de Hamhŭng/Hŭngnam para ser evacuado por mar. Hamhŭng já tinha sido bombardeada pela Força Aérea dos Estados Unidos, mas o Corpo X recebeu a ordem de “negar abastecimentos e meios de transporte às tropas comunistas” antes de deixarem a área. Durante vários dias, a começar em 11 de dezembro, o 185.º Batalhão de Engenharia do Corpo X transportou cerca de quatro toneladas de dinamite para os arredores industriais de Hŭngnam e começou a destruir o que restava das fábricas. Em 15 de dezembro, a ponte ferroviária que levava ao sul de Hamhŭng foi dinamitada. Todas as pontes rodoviárias nas proximidades foram demolidas da mesma forma. Três dias depois, o Primeiro Pelotão queimou todos os edifícios e destruiu todos os abastecimentos para aviação no aeroporto Yongp’o de Hamhŭng, cerca de cinco milhas [8 km] ao sul de Hŭngnam, com gasolina, balas tracejantes e granadas; para garantir o resultado, um bombardeamento naval atingiu o aeroporto no final da tarde. Enquanto isso, cerca de 100.000 refugiados norte-coreanos foram transportados de Hŭngnam para a Coreia do Sul por navios-tanque da marinha dos EUA na chamada “Evacuação de Natal” entre 19 e 24 de dezembro. Dos escombros de Hamhŭng destruída e despovoada, os norte-coreanos e alemães orientais construíram uma nova cidade industrial.

Não está claro exatamente quando e por quem foi tomada a decisão de que a ajuda da Alemanha Oriental se concentrasse na cidade de Hamhŭng. Parece que o primeiro-ministro da RDA, Otto Grotewohl, prometeu pessoalmente a Kim Il Sung ajuda na reconstrução de uma cidade quando os dois homens se encontraram na Conferência de Genebra em 1954. Mais tarde naquele ano, no final de junho ou início de julho, um líder norte-coreano (presumivelmente Kim Il Sung ) escreveu a Grotewohl:

O governo e todo o povo coreano estão comovidos e eternamente gratos pela promessa feita por si, caro camarada primeiro-ministro, à nossa delegação na Conferência de Genebra, de reconstruir uma das cidades destruídas, com os esforços da República Democrática Alemã … O governo de nossa República decidiu como objeto de reconstrução e recuperação pelo seu governo a cidade de Hamhŭng, um dos centros provinciais da nossa República” [13] Talvez Grotewohl, sendo ele mesmo presidente de um país destruído pela guerra, fosse movido por um sentimento de vínculo comum com os coreanos; talvez tenha sido pressionado pelos soviéticos a dar a ajuda da Alemanha Oriental a um grande projeto de reconstrução industrial, mas não na capital, que seria uma montra da ajuda soviética. Em qualquer caso, o próprio Grotewohl chefiou uma “Equipe de Trabalho Alemã”(Deutsche Arbeitsgruppe, DAG) para dirigir o projeto. Centenas de engenheiros, técnicos e artífices da Alemanha Oriental e suas famílias foram enviados para Hamhŭng, tendo alguns residido aí durante vários anos, e ganharam o cognome coletivo, que soa ironicamente alemão, “Hamhunger”. No outono de 1954, uma delegação da RDA visitou Hamhŭng para estabelecer as bases para o projeto de reconstrução e, no ano seguinte, o governo da Alemanha Oriental anunciou o seu plano para ajudar na reconstrução de Hamhŭng no período de 1955-1964.

Em pouco mais de cinco anos, os norte-coreanos, com a ajuda da Alemanha Oriental, reconstruíram Hamhung como uma cidade industrial moderna e, durante décadas, a cidade seria o principal centro industrial da Coreia do Norte fora da capital, Pyongyang. Em 1960 – muito antes de o termo ser aplicado à Coreia do Sul – a imprensa da Alemanha Oriental chamou à Coreia do Norte “um milagre económico no Extremo Oriente”[14] . Em junho de 1956, Kim Il Sung visitou a RDA e agradeceu pessoalmente aos alemães orientais a sua ajuda [15]. Mas, desde o início do processo de reconstrução, a liderança da RPDC tinha visto a ajuda externa como um processo limitado que gradualmente daria lugar à autossuficiência norte-coreana [16]. Em dezembro de 1955, Kim fez o seu subsequente famoso discurso sobre “Zuche” ou autoconfiança, referindo-se originalmente à independência ideológica, especialmente em relação à União Soviética, ao longo das duas décadas seguintes, e o Zuche seria alargado a todos os aspetos do comportamento da Coreia do Norte, da política à economia e à defesa militar.

Os governos da RPDC e da RDA declararam concluído o projeto Hamhŭng em 1962, dois anos antes do previsto. Os especialistas alemães e as suas famílias voltaram para casa. Ao mesmo tempo, os milhares de órfãos coreanos acolhidos por famílias alemãs, romenas e outras da Europa Oriental voltaram para a Coreia. Alguns estudantes norte-coreanos permaneceram na Europa Oriental e na URSS, mas a era de estreita “cooperação fraterna” tinha chegado ao fim. A Coreia do Norte fora reconstruída e, dali para a frente, traçaria o seu próprio caminho de desenvolvimento político e económico, ligado, mas nunca subordinado, à comunidade socialista mais ampla das nações.

Notas
[1] O Comando do Extremo Oriente ordenou ao General Walker que “destruísse tudo o que pudesse ser usado pelo inimigo” quando o Oitavo Exército fugiu para o Sul, em dezembro de 1950. Roy E. Appleman,  Disaster in Korea: The Chinese Confront MacArthur  [Desastre na Coreia: o confronto chinês de MacArthur], (College Station, TX: Texas A & M Pres, 1989), p. 360.
[2] Citado em Rosemary Foot,   A Substitute for Victory: The Politics of Peacemaking at the Korean Armistice Talks [Um substituto para a vitória: As políticas de fazer a paz nas conversações do Armistício da Coreia] (Ithaca: Cornell University Press, 1990), pp. 207-208.
[3]  Jon Halliday, “The North Korean Enigma” [O enigma da Coreia do Norte] New Left Review  n.º 127 (maio – junho de 1981), p. 29
[4]  A extensão do envolvimento aéreo soviético na Guerra da Coreia foi por muito tempo um segredo da Guerra Fria, cujos detalhes só se tornaram conhecidos após o colapso da URSS. Ver Xiaoming Zhang,   Red Wings over the Yalu: China, the Soviet Union, and the Air War in Korea [Asas vermelhas sobre Yalu: a China, a União Soviética e a guerra aérea na Coreia] (College Station: Texas A&M University Press, 2002).
[5]  Arquivos Nacionais dos EUA, Grupo de Registos 242, aviso de embarque 2013, item 1/191. Organização das Unidades de Defesa Doméstica Armada (RPDC), setembro de 1950. Os relatórios incluem descrições gráficas de um ataque aéreo à cidade de Yŏch’ŏn, em 26 de agosto, e o bombardeamento de uma escola primária, em 1 de setembro.
[6]  Conrad C. Crane,  American Airpower Strategy in Korea, 1950 – 1953 [Estratégia do poder aéreo americano na Coreia] (Lawrence: University Press of Kansas, 2000), pp. 42–43.
[7]  US National Archives  [Arquivos Nacionais dos EUA], Record Group 59. US Embassy to State, “Economic Conditions in North Korea” [Condições económicas na Coreia do Norte], 11 de outubro de 1949, p. 8.
[8]  The Three Year Plan” [O plano trienal], Kyŏngje kŏnsŏl  [Economic Construction], setembro de 1956, pp. 5–6.
[9]  Nodong Sinmun [jornal norte-coreano], 16 de março de 1952, p. 1
[10]  Callum MacDonald,  Korea: The War Before Vietnam [Coreia: A guerra anterior à do Vietname] (London: Macmillan, 1986), pp. 241-242.
[11]  A reconstrução pós-guerra da Coreia do Sul foi o maior projeto de desenvolvimento multilateral do mundo na época. Ver Stephen Hugh Lee, “The United Nations Korea Reconstruction Agency in War and Peace” [A Agência das Nações Unidas para a Reconstrução da Coreia na Guerra e na Paz], em Chae-Jin Lee e Young-ick Lew, eds., Korea and the Korean War [A Coreia e a Guerra da Coreia], (Seul: Yonsei University Press, 2002), pp. 357 – 96. [12]  John Yoon Tai Kuark,  “A Comparative Study of Economic Development in North and South Korea during the Post-Korean War Period” [Um Estudo Comparativo do Desenvolvimento Económico na Coreia do Norte e do Sul durante o período Pós-Guerra da Coreia], Ph.D. dissertação, University of Minnesota, 1966, p. 32; Joseph S. Chung,  The North Korean Economy: Structure and Development [A economia norte-coreana: estrutura e desenvolvimento] (Stanford: Hoover Institution Press, 1974), pp. 146-47.
[13]  Citado em Ruediger Frank,  Die DDR und Nordkorea: Dier Wiederaufbau der Stadt Hamhung von 1954-1962 [A RDA e a Coreia do Norte: a reconstrução da cidade de Hamhung de 1954 a 1962] (Aachen: Shaker, 1996), p. 23.
[14]  Martin Radmann, Ein Wirtschafstwunder im Fernen Osten [Um milagre económico no Extremo Oriente],  Neues Deutschland , 27 de dezembro de 1960.
[15] Ministério das Relações Exteriores da RDA, seção da Coreia.  Visit of a Government Delegation of the DPRK in the GDR, June 1956 [Visita de uma delegação governamental da RPDC à RDA, junho de 1956].” MfAA A 6927, Ficha 1.
[16]  Kim Il Sung, “On Eliminating Dogmatism and Formalism and Establishing Juche in Ideological Work” [Sobre a eliminação do dogmatismo e do formalismo e a institucionalização Juche no Trabalho Ideológico]  Works, vol. 9, pp. 395-417.

[*] Professor de história e diretor do Centro de Investigação sobre a Coreia da Universidade de Columbia. É autor de The North Korean Revolution, 1945-1950 e The Koreas, e editor de Sociedade Coreana: Sociedade Civil, Democracia e o Estado e de Coreia no Centro: Dinâmicas do Regionalismo no Nordeste Asiático.   Este artigo faz parte de uma série contínua de  The Asia-Pacific Journal na comemoração do sexagésimo aniversário do início da Guerra EUA-Coreia.

Citação recomendada: Charles Armstrong, The Destruction and Reconstruction of North Korea, 1950 – 1960, The Asia-Pacific Journal Vol 8, Entrada 51, n.º 2, 20 de dezembro de 2010.

O original encontra-se em https://apjjf.org/-Charles-K.-Armstrong/3460/article.html e a tradução de TAM e MFO em https://pelosocialismo.blogs.sapo.pt/a-destruicao-e-reconstrucao-da-coreia-159120

Este artigo encontra-se em https://resistir.info

 

Comentários: