Brasília, 5 de dezembro de 2021 às 10:50
Selecione o Idioma:

Internacional

Postado em 27/08/2017 10:33

Alguns dias para evitar catástrofe? EUA estão a um passo do encerramento do governo

.

© Sputnik/ Igor Mikhalev

Em 22 de agosto, o presidente dos EUA Donald Trump declarou querer provocar o enceramento do governo este outono para receber financiamento para seu projeto de construção do muro na fronteira de seu país com o México.

De acordo com o jornal The New York Times, Donald Trump queria complicar a aprovação de duas medidas que o Congresso dos EUA deveria implementar no outono: a aprovação do novo pacote de despesas públicas e a subida do teto da dívida.

12 dias até a catástrofe

Em 30 de setembro, o Congresso dos EUA tem de aprovar a lei sobre a despesa pública para poder financiar os gastos do Governo. O problema é que os congressistas voltarão de suas férias de verão em 5 de setembro. A partir desse dia, e até 20 de setembro, quando ambas as câmaras do Congresso se reunirão, há apenas 12 dias úteis para chegar a um acordo.

Caso os congressistas não consigam chegar a um acordo – coisa que já aconteceu antes por várias vezes – os legisladores aprovarão uma lei temporária que estenderá o limite.

Se os congressistas não conseguirem chegar a um acordo durante o prazo adicional, será efetuado o encerramento do governo. Neste caso, o governo dos EUA não poderá continuar aumentando a dívida ou declarará falência por não ser capaz de pagar suas faturas.

Como consequência, a falência ameaça provocar o colapso do mercado de valores, o agravamento da classificação de crédito e a diminuição da confiança por parte dos seus credores.

O fator Trump

Anteriormente, os economistas de Wall Street e os investidores começaram se preocupando com a possibilidade de haver bancarrota.

A causa da sua preocupação é o próprio presidente dos EUA, Donald Trump, e sua Administração, que não têm uma opinião comum a respeito da solução do problema dos gastos.

De acordo com o portal russo Vesti Finance, vários especialistas destacaram o costume de Trump de agir contra o cenário e fazer propostas e declarações inesperadas.

Segundo sua opinião, se esse costume se repetir em setembro, isso poderá afetar as negociações sobre a dívida pública dos EUA.

Alguns especialistas lembraram as promessas que Trump tinha feito durante a campanha eleitoral sobre seu plano de reestruturar a dívida nacional.

Notas de dólares norte-americanos
© SPUTNIK/ NATALIA SELIVERSTOVA
O agravamento das relações entre Trump e vários líderes do Partido Republicano, provocado pelo fracasso da reforma na esfera de saúde, é mais uma causa de preocupação dos expertos.

Discurso político

Vários republicanos da Câmara de Representantes (câmara baixa) do Congresso dos EUA apoiam o projeto do presidente norte-americano relacionado com a construção do muro na fronteira com o México, dizendo que a questão de seu financiamento deve ter prioridade. Alguns deles queriam que o Governo fosse encerrado para obterem os recursos financeiros necessários.

Os congressistas republicanos mais moderados consideram essa ideia insensata, enquanto seus líderes estão determinados a aplicar todos os seus esforços para evitar tal resultado, pois acreditam que isso agravará as dúvidas sobre a capacidade do partido de governar.

Nessas circunstâncias, a Administração de Trump recuou na sua política e disse que tentaria obter a simples subida do teto da dívida, o que significa que seu aumento não dependeria do resultado de outras medidas políticas, conclui o New York Times.

Comentários: